Hípica Paulista realiza a 10ª etapa do Ranking de Salto entre 25 e 28/8, com seletiva para o CSI-W e CSN Indoor

Entre 25 e 28/8, o 10ª Ranking de Salto agita a Sociedade Hípica Paulista. A disputa também é válida como seletiva para o Longines CSI-W e CSN Indoor que chega a sua 26ª edição na Sociedade Hípica Paulista, entre 5 e 9/10.

José Roberto Reynoso Filho foi o vencedor do GP da 9ª etapa do Ranking; img: João Markun

José Roberto Reynoso Filho foi o vencedor do GP da 9ª etapa do Ranking; img: João Markun

No ranking de Salto da Hípica Paulista, como de costume a cada etapa, serão disputadas 18 provas para todos os níveis e categorias com destaque para o GP, a 1.40 metro, no domingo, 18, com R$ 30 mil em premiação. As provas seletivas para o Indoor vão de 1.10 a 1.40 metro, exceto para série Internacional 1.45 /1.60 metro. A 3ª e última seletiva para o Indoor será na 11ª Etapa do Ranking, entre 15 e 18/9.

As inscrições para o Ranking de Salto fecham na terça-feira, 23/8.

Veja o programa e o Regulamento das Seletivas Indoor

 
Contagem regressiva para o Indoor 2016

A edição 2016 desse que é o mais badalado evento hípico da América do Sul promete ser ainda mais especial com o primeiro grande encontro da elite do hipismo brasileiro e cavaleiros especialmente vindos do exterior após os Jogos Rio 2016. Doda Miranda e Pedro Veniss, que garantiram os melhores resultados do Time Brasil, ao lado de outras grandes estrelas em atividade no país e Exterior, mais uma vez prometem marcar presença no Indoor.

Doda Miranda e Cornetto K na Final da Rio 2016; img: Hector Garrido

Doda Miranda e Cornetto K na Final da Rio 2016; img: Hector Garrido

Em 2015, o Indoor reuniu mais de 73 mil visitantes ao longo dos cinco dias de competição. Com um número mais reduzido de conjuntos por prova, a plataforma de entretenimento Horse Experience promete ganhar ainda mais força. Além da sempre esperada prova show carro x cavalo, apresentações equestres de volteio, atrelagem, adestramento e rédeas terão destaque durante a programação. A prova de potência, mega sucesso em 2015, também será reeditada. Em paralelo, tampouco vão faltar a possibilidade de passeio de pôneis e o espaço kids para entreter jovens visitantes aspirantes ao hipismo. Outras novidades e detalhes sobre as regras das seletivas estão por vir.

Imprensa SHP

Os números do Salto Rio 2016 | 74 conjuntos de 29 países disputam seis medalhas

Em sua 31ª edição, os Jogos Olímpicos Modernos finalmente chegaram a América do sul, mais precisamente ao Brasil. Mais de 10 mil atletas de 200 países são esperados para competir em quase 40 esportes.

Apenas nos esportes hípicos são três modalidades: Salto, Adestramento e Concurso Completo de Equitação. O Brasil será representado por equipes nas três modalidades. Só no Salto são 15 nações disputando as medalhas por equipes e mais 15 atletas apenas na disputa individual, perfazendo um total de 75 conjuntos de 27 países. Confira a lista completa e a agenda.

ROADTORIO copy

Ingressos à venda aqui.

Salto Rio 2016

14/8 – 10h00 – 1ª classificatória individual
16/8 – 10h00 – 2ª classificatória individual e 1ª das equipes
17/8 – 10h00 – 3ª classificatória individual e Final das equipes
19/8 – 10h00 – Final individual

Equipes

Alemanha
Christian Ahlmann / Taloubet Z
Ludger Beerbaum / Casello
Daniel Deusser / First Class van Eeckelghem
Marcus Ehning / Cornado NRW
Meredith Michaels-Beerbaum / Fibonacci (reserva)

Argentina
Matias Albarracin / Cannavaro 9
José María Larocca / Cornet du Lys
Bruno Passaro / Chicago Z
Ramiro Quintana / Appy Cara
José María Larocca / Eliot DWS (reserva)

Austrália
Scott Keach / Fedor
James Paterson-Robinson / Amarillo
Edwina Tops-Alexander / Lintea Tequila
Matt Williams / Valinski S

Brasil
Stephan de Freitas Barcha / Landpeter do Feroleto
Alvaro Doda de Miranda / AD Cornetto K
Eduardo Menezes / Quintol
Pedro Veniss / Quabri de l’Isle
Rodrigo Pessoa / Citizenguard Cadjadine Z (reserva)

Canadá
Yann Candele / First Choice 15
Tiffany Foster / Tripple X III
Eric Lamaze / Fine Lady 5
Amy Millar / Heros
Kara Chad / Bellinda (reserva)

Espanha
Eduardo Alvarez Aznar / Rokfeller de Pleville Bois Margot
Sergio Alvarez Moya / Carlo 273
Pilar Lucrecia Cordon / Gribouille du Lys
Manuel Fernandez Saro / U Watch
Gerardo Menendez Mieres / Cassino DC (reserva)

Estados Unidos
Lucy Davis / Barron
Kent Farrington / Voyeur
Elizabeth Madden / Cortes’C’
Mclain Ward / HH Azur
Laura Kraut / Zeremonie (reserva)

França
Roger Yves Bost / Sydney Une Prince
Simon Delestre / Ryan des Hayettes
Pénélope Leprevost / Flora de Mariposa
Kevin Staut / Reveur de Hurtebise
Philippe Rozier / Rahotep de Toscane (reserva)

Grã-Bretanha
Ben Maher / Tic Tac
Nick Skelton / Big Star
John Whitaker / Ornellaia
Michael Whitaker / Cassionato
Jessica Mendoza / Spirit T (reserva)

Holanda
Jeroen Dubbeldam / Zenith
Harrie Smolders / Emerald
Maikel van der Vleuten / Verdi
Jur Vrieling / Zirocco Blue
Gerco Schröder / London (reserva)

Japão
Daisuke Fukushima / Cornet 36
Toshiki Masui / Taloubetdarco K Z
Taizo Sugitani / Imothep
Reiko Takeda / Bardolino
Koki Saito / Capilot (reserva)

Quatar
Hamad Ali Mohamed A Al Attiyah / Appagino 2
Ali Yousef Al Rumaihi / Gunder 103RV97
Sheikh Ali Al Thani / First Devision
Bassem Hassan Mohammed / Dejavu
Faleh Suwead Al Ajami / Armstrong van de Kapel (reserva)

Suécia
Malin Baryard-Johnsson / Cue Channa
Rolf-Göran Bengtsson / Unita
Peder Fredricson / All In
Henrik von Eckermann / Yajamila
Charlotte Mordasini / Romane du Theil (reserva)

Suíça
Romain Duguet / Quorida de Treho
Martin Fuchs / Clooney
Steve Guerdat / Nino des Buissonnets
Janika Sprunger / Bonne Chance CW
Paul Estermann / Castlefield Eclipse (reserva)

Ucrânia
Ulrich Kirchhoff / Prince de la Mare
Cassio Rivetti / Fine Fleur du Marais
Ferenc Szentirmai / Chadino
René Tebbel / Zipper
Ferenc Szentirmai / Chaccland (reserva)

Participações Individuais

Bélgica
Jérôme Guery / Grand Cru van de Rozenberg
Nicola Philippaerts / H&M Zilverstar T

Colômbia
Daniel Bluman / Sancha LS
Rene Lopez / Con Dios III

Egito
Karim Elzoghby / Amelia

Irlanda
Greg Patrick Broderick / MHS Going Global

Italia
Emanuele Gaudiano / Caspar 232

Marrocos
Abdelkebir Ouaddar / Quickly de Kreisker

Peru
Alonso Valdez Prado / Chief

Portugal
Luciana Diniz / Fit For Fun 13

Taiwan
Isheau Wong / Zadarijke V

Turquia
Omer Karaevli / Roso au Crosnier

Uruguai
Nestor Nielsen van Hoff / Prince Royal Z de la Luz

Venezuela
Emanuel Andrade / Hardrock Z
Pablo Barrios / Antares

Tunel do Tempo: Doda Miranda com Arisco Aspen em Atlanta 1996

Foi nos Jogos Olímpicos de Atlanta 1996 que o sonho da primeira medalha olímpica de hipismo brasileiro se concretizou.  Com Rodrigo Pessoa no dorso de Tom Boy, Álvaro Affonso de Miranda Neto, o Doda, montando Arisco Aspen, André Johannpeter montando Calei Joter e Luiz Felipe de Azevedo apresentando Cassiana Joter, o Brasil garantiu o bronze por equipes. O país ficou atrás apenas das equipes dos anfitriões os Estados Unidos, prata, e da Alemanha, ouro. (Assista a comemoração).

Na disputa individual, o melhor resultado brasileiro foi Doda, com seu Arisco Aspen, que conquistou o 7º posto individual. Aspen, gozou de merecida aposentadoria no Haras Império Egípcio em São Paulo. Em 27/01/2015, Aspen completou 30 anos sempre muito bem cuidado e veio descansou após um último suspiro no pasto em 29/9/2015.

Doda com Arisco Aspen em nos Jogos Olímpicos de Atlanta 1996

Assista o 1º percurso da Doda com Arisco na Copa das Nações e comemoração na transmissão da Band

Ranking FEI Longines

    • 1º Simon Delestre FRA – 3170
    • 2º Christian Ahlmann ALE – 3149
    • 3º Mclain Ward EUA – 3049
    • 4º Penelope Leprevost FRA – 2971
    • 5º Kent Farrington EUA – 2915
    • 6º Scott Brash GBR – 2670
    • 7º Kevin Staut FRA – 2660
    • 8º Daniel Deusser ALE – 2646
    • 9º Bertram Allen IRL – 2528
    • 10º Gregory Wathelet BEL – 2515
    • 73º Marlon Zanotelli BRA – 1513
    • 74º Pedro Veniss BRA – 1498
    • 94º Eduardo Menezes BRA – 1321
    • 122º Rodrigo Pessoa BRA – 1133
    • 144º Doda Miranda BRA – 1032
    • 152º Stephan Barcha BRA – 1008
    • Ranking completo

 

Montando AD Nouvelle Europe Z, Doda Miranda vence o GP e é bi no Internacional 3*de Magna Racino, na Áustria

O cavaleiro brasileiro Doda Miranda venceu neste domingo, 25/05, o GP do Concurso de Salto Internacional 3* de Magna Racino, na Áustria. Com a nova montaria AD Nouvelle Europe Z, o medalhista olímpico foi o mais rápido na pista, com obstáculos a 1.55m, ao terminar a prova em 43s10 sem cometer faltas. O segundo colocado foi holandês Bart Bles com Lord Sandro DDH, com pista limpa em 46s93, seguido pelo britânico Keith Shore / Mystic Hurricane também sem faltas em 47s24.

Doda Miranda e AD Nouvelle Europe Z em ação no GP; foto: Magna Racino

Doda Miranda e AD Nouvelle Europe Z em ação no GP; foto: Magna Racino

Quarenta e nove conjuntos disputaram o GP e Doda Miranda foi o 44º cavaleiro a entrar na pista. O brasileiro soube aproveitar a vantagem e conseguiu o melhor tempo da prova, um ótimo resultado para AD Nouvelle Europe Z, que está competindo com Doda há apenas duas semanas. Também nesse domingo, Doda foi o quarto colocado com AD Amigo B na prova a 1.45m, com um percurso sem faltas em 46s16. Em 2011, Doda venceu um GP no Internacional Magna Racino então montando AD Wilbert.

Dia de vitória para Doda Miranda no Internacional Magna Racino, torneio em que 2011 venceu o GP montando AD Wilbert

Dia de vitória para Doda Miranda no Internacional Magna Racino, torneio em que 2011 venceu o GP montando AD Wilbert

O Torneio de Primavera de Magna Racino começou no dia 23 de abril e termina no dia 8 de junho. Ao longo da competição serão distribuídos 800 mil euros prêmios e 18 provas contarão pontos para o ranking de salto da Federação Equestre Internacional. A quarta semana de disputas terminou nesse domingo e distribuiu mais de 150 mil euros em prêmios, sendo 40 mil para o GP.

Doda e AD Nouvelle Europe Z na volta da vitória

Doda e AD Nouvelle Europe Z na volta da vitória

Resultado GP do CSI3* Magna Racino – Áustria – 1.55m
1º AD Nouvelle Europe Z / Doda Miranda (BRA) – 0 – 43s10
2º Lord Sandro DDH / Bart Bles (HOL) – 0 – 46s93
3º Mystic Hurricane / Keith Shore (GBR) – 0 – 47s24

 

Com  MKT Mix Comunicação

Assista a entrevista de Doda Miranda na TV do Global Champions Tour

Durante a 2ª etapa do Global Champions Tour 2014 em Madrid, no início de maio, o medalhista olímpico brasileiro Doda Miranda conversou com a TV do evento. Doda comentou a importância do mais badalado circuito do hipismo, seus objetivos até os Jogos Olímpicos Rio 2016 e a carreira de sua esposa Athina Onassis de Miranda. Assista (em inglês):

Scott Brash, nº 1 do mundo, vence GP Rolex na Final do Festival Equestre de Inverno nos EUA

Fazendo jus a sua condiçaõ de campeão olímpico por equipes e atual número 1 do ranking mundial, o britânico Scott Brash com Hello Sanctos levou a melhor no GP Rolex na Final do Winter Equestrian Festival, na Flórida (EUA), nesse domingo, 30/3.

Scott Brash e seu Hello Sanctos rumo a vitória; imagem: Rolex / Kit Houghton

Scott Brash e seu Hello Sanctos rumo a vitória; imagem: Rolex / Kit Houghton

A disputa com U$ 500 mil em premiação, que estava inicialmente prevista para a noite de 29/3 e devido a chuva foi transferida para o domingo, contou com 39 concorrentes na 1ª volta dentre os quais sete zeraram dentro do tempo concedido bastante apertado de 81s habilitando-se ao desempate do percurso armador por Anthony D´Ambrosio.

Brash e seu Hello Sanctos garantiram a vitória e seu primeiro Rolex com mais um percurso sem faltas em 43s442. Sagrou-se vice-campeão o irlandês Richie Moloney com Slievenorra, sem faltas, 44s878.

Richie Moloney com Slievenorra

Richie Moloney com Slievenorra; foto:  Rolex / Kit Houghton

A presença feminina no pódio ficou a cargo da top norte-americana Jessica Springsteen com Vindicat que registrou pista limpa em 44s878.

Jessica Springsteen, filha de Spruce Springsteen, com seu Vindicat; foto: Rolex / Kit Houghton

Jessica Springsteen, filha de Spruce Springsteen, com seu Vindicat; foto: Rolex / Kit Houghton

O melhor resultado brasileiro foi de Rodrigo Pessoa com Status que ficou entre os nove conjuntos com apenas 1 falta na 1ª volta. Doda Miranda e AD Uutje fecharam com 12 pontos.

O Winter Equestrian Festival 2014 com 12 semanas de duração foi maior de todos tempos com cerca de 9 milhões de dólares em premiação. Os GPs contaram com 147 cavaleiros de 26 países.

Para Mark Bellissimo, CEO da Equestrian Sport Productions responsável pela organização do evento, “foi um grande festival com aumento de 12% nas inscrições a cada semana, o que representa um adicional de  400 cavalos. Estamos felizes por atrair cavaleiros top mundiais, Ben Maher e Scott Brash (líderes do ranking mundial), garantindo emocionantes desafios a cada semana, acho que é nisso que se baseia o esporte de ponta.”
Com a fonte Rolex – Revolution Sports + Entertainment Rod Kohler e fotos: Rolex/Kit Houghton

 

 

Time Brasil com Doda, Rodrigo, Yuri e Eduardo larga na Copa das Nações nos EUA em 28/2

A sexta-feira, 28/2, promete um páreo de feras na Copa das Nações Furusiyya, com U$ 75 mil em premiação, no Winter Equestrian Festival 2014, na Flórida (EUA). Os medalhistas olímpicos Rodrigo Pessoa e Doda Miranda, Yuri Mansur, campeão da liga Sul Americana 2013, e Eduardo Menezes, cavaleiro radicado nos EUA e México, defendem o Brasil.

Rodrigo Pessoa com sua nova montaria Status em ação  no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Rodrigo Pessoa com sua nova montaria Status em ação no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Essa é a primeira Copa das Nações para os brasileiros em 2014, temporada que promete fortes emoções para elite do hipismo mundial que se prepara para os Jogos Equestres Mundiais 2014, na França, entre 23/8 e 7/9.

Doda e AD Uutje em plena forma no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Doda e AD Uutje em plena forma no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Rodrigo vai montar Status, Doda salta AD Uutje,  Yuri Mansur com QH First Devision e Eduardo Menezes que apresenta Quintol.O chefe de equipe é o francês Jean-Maurice Bonneau. Transmissão ao vivo pela FEI TV (a partir das 20h55 horário brasileiro).

Yuri Mansur com QH First Devision em pista no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Yuri Mansur com QH First Devision em pista no Winter Equestrian Festival 2014; imagem: Luis Ruas

Com a fonte: CBH

Brasil vence com Doda Miranda e Rodrigo Pessoa e ainda tem Yuri Mansur em 2º na 7ª rodada do Ruby et Violette Challenge nos EUA

Na principal disputa dessa quinta-feira, 20/2, no Winter Equestrian Festival em Wellington, nos EUA, o resultado não poderia ter sido melhor para o Brasil. Dado ao número de concorrentes, o desafio Ruby e Violette foi dividido em dois grupos, cada um com U$ 125 mil em premiação.

Na seção A, o cavaleiro olímpico Doda e seu AD Uutje, que já havia vencido o mesmo desafio na 2ª semana, garantiu a vitória sem faltas no desempate em 37s62 e o 2º posto foi para o Brasil com Yuri Mansur montando QH Amor, pista limpa, 39s01. Em 3º lugar chegou a jovem norte-americana Reed Kessler apresentando Ligist que zerou em 39s60.

Doda e AD Uutje garantem a 2ª vitória no Winter Equestrian Festival; imagem: Sportfot

Doda e AD Uutje garantem a 2ª vitória no Winter Equestrian Festival; imagem: Sportfot

Já na seção B deu Brasil outra vez com o campeão olímpico Rodrigo Pessoa apresentando sua égua Citizenguard Cadjanine Z, sem faltas, 37s89. Em 2º e 3º lugar chegaram os tops norte-americanos Kent Farrington com Willow e Laura Kraut com seu Cedricc, ambos sem faltas em 39s14 e 42s96, respectivamente.

Rodrigo Pessoa e Citizenguard Cadjanine Z: cada vez mais afiados; imagem: Sportfot

Rodrigo Pessoa e Citizenguard Cadjanine Z: cada vez mais afiados; imagem: Sportfot

“O AD Uutje está cada vez melhor. Às vezes ainda tenho dificuldade em acrescentar um lance nas linhas, mas hoje foi mais fácil na primeira volta e esperamos chegar em plena forma no GP Final”, comentou Doda, que voltou a treinar com Nelson Pessoa. “Com a ajuda do Neco ficou tudo mais fácil, vejo progresso todos os dias. Vi a pista do Rodrigo que foi muito rápido. Eu sabia que tinha que arriscar mais do obstáculo um para o dois. Mas ao final ambos vencemos, o que foi muito bom!”, acrescentou o cavaleiro que registrou o melhor tempo do desempate.

Doda com Jennifer Ward, representando a SSG Riding Gloves, e o ringmaster Gustavo Murcia; imagem: Sportfot

Doda com Jennifer Ward, representando a SSG Riding Gloves, e o ringmaster Gustavo Murcia; imagem: Sportfot

Semana que vem Doda, Rodrigo, Yuri Mansur e Eduardo Menezes defendem o Brasil na Copa das Nações Furusiyya. “Esse resultado antes da Copa das Nações foi muito importante e nos deu mais motivação. Foi perfeito para nós”, atestou Doda.

Rodrigo concordou e ressaltou a importância do Circuito. “Realmente foi muito bom. O circuito está bombando com um monte de gente nova. A vitória de hoje foi boa para nossa moral. O Doda vai saltar a Copa das Nações com Uutje e eu com Status, que zerou hoje, mas não fomos para o desempate. Já o Yuri vai saltar com QH Amor e ainda temos o Eduardo Menezes. Não significa que vamos vencer a Copa das Nações, mas é uma boa premissa que os cavalos estejam saltando bem o que deve deixar nosso chefe de equipe Jean-Maurice Bonneau, que chega semana que vem, animado.

“A minha égua é difícil, mas tem muito potencial”, comentou Rodrigo que está com Citizenguard Cadjanine, que era montada e disputou Londres 2012 com o belga Gregory Wathelet, há cerca de meio ano. “A condução dela nem sempre é fácil, mas ela é uma lutadora e estamos evoluindo e logo a veremos em algumas provas mais altas. ”

Rodrigo e sua Citizenguard Cadjanine Z na cerimônia de premiação com o ringmaster Gustavo Murcia

Rodrigo e sua Citizenguard Cadjanine Z na cerimônia de premiação com o ringmaster Gustavo Murcia

Com patrocínio da Adequan, a 7ª semana do Winter Equestrian Festival transcorre entre 19 e 23 de fevereiro. Nesse sexta, 21, a principal disputa é a prova G&C Farm 1.45m e no sábado, 22, o GP Adequan com U$ 280 mil em premiação. Já no domingo, 23, o páreo Suncast, a 1.50 metro, é a principal atração. O evento considerado a maior e mais longa competição do mundo segue até 30 de março e distribui cerca de U$ 8 milhões em premiação.

 

Brasil Hipismo com a fonte: Jennifer Wood ; fotos: Sportfot

Doda Miranda agradece Luis Fernando Monzon pelo artigo “Órfãos de Onassis”, lamentando a perda do Athina Onassis Horse Show no país

Confira o agradecimento público do medalhista olímpico Doda Miranda ao artigo escrito pelo juiz internacional, locutor, repórter e horseman Luis Fernando Monzon, “Órfãos de Onassis”, lamentando a perda do evento Athina Onassis Horse Show que durante seis edições alavancou o hipismo em solo brasileiro. O referido artigo (leia abaixo) foi publicado na edição de número 69 da revista Mundo Equestre Luxo.

Doda Miranda acena para o público durante o Oi Athina Onassis Horse Show ao lado do ringmaster Pedro Cebulka

Doda Miranda acena para o público durante o Oi Athina Onassis Horse Show ao lado do ringmaster Pedro Cebulka; imagem: Raphael Macek

“Caro Monzon,

Athina e eu ficamos muito felizes com a sua manifestação de apoio ao AOHS em seu brilhante artigo na revista Mundo Equestre e queremos registrar nosso agradecimento. Manifestações espontâneas como a sua nos dão a sensação de que “valeu a pena”, renovam nossa força e nos levam a sonhar algum dia voltar a ousar fazer algo grande no nosso amado Brasil.

Certamente todos aqueles que trabalharam e nos apoiaram na realização dos eventos terão a mesma satisfação que tivemos ao ler a matéria.

Abraços,
Doda”

 

Órfãos de Onassis

 

Houve pouquíssimas manifestações diante de tanta perda, em meu ver. O principal evento da modalidade Salto, com aparições memoráveis do Adestramento, se perdia e, creio que atônitos, os brasileiros se calaram diante do anunciado retrocesso histórico. A sensação foi e ainda é de tristeza, quase angústia.

Em 2007 e 2008 as edições realizadas na Sociedade Hípica Paulista foram marcos de excelência e deram à luz abissal distância que separava o hipismo de alta performance internacional do brasileiro. As apresentações nas principais provas mostraram o quanto era necessário caminhar para atingir aquele nível. Muitos (alguns sem nem mesmo perceber) foram sacudidos pela verdade, muitos se resignaram, uns poucos começaram a trabalhar. Os quatro anos de disputa na Sociedade Hípica Brasileira foram a mostra de que há quem valorize o evento, o oferecimento de apoio e incentivo foram claros entre os sócios e os amantes do espetáculo, da arte da equitação, lotaram arquibancadas, mesas, frisas e o espaço promocional. A mídia entendeu o acontecimento e deu-lhe ares de mega evento internacional e de interesse público. A cidade e a comunidade hípica se beneficiaram.

Quando a dois meses apenas do início do evento que marcaria sua ida para Deodoro, na pista onde foi disputado o Pan Rio 2007, o AOHS foi cancelado, ou adiado como disseram alguns. Faltou uma manifestação de apoio e muitas de repúdio ao duro golpe que todos sofríamos, faltou união, faltou vontade política e visão estratégica. Algo pairou no ar como uma nuvem de tempestade, os partícipes mais diretos tiveram de se retirar da batalha para reavaliar forças e estratégias, mas a bem da verdade, nunca lhes faltou a vontade e o desprendimento de lutar pela realização. Quatro meses após o anúncio, em 8 de dezembro de 2013, a brilhante jornalista Sanny Bertoldo, de O Globo, anunciou a ida do evento, brasileiro nato e de opção, para Saint Tropez, França. Incrivelmente o evento se vendeu em menos de duas semanas, sem a necessidade de grande aporte financeiro próprio de Doda e Athina, o que acontecia em todas as edições brasileiras do evento. Incrível? Claro que não…

Álvaro portou-se como um entrevistado ponderado e preparado, como de costume, mas visivelmente decepcionado e triste. Não cabe aqui apontar nossas falhas e despreparo, de todos nós envolvidos e interessados, menos ainda tentar discernir o que é verdade do que foi a versão oficial. O que cabe é lamentar o ocaso de um ápice do nosso esporte, cabe aprender com esta derrota, agradecer o legado inegável do maior evento hípico que presenciamos em terras sul americanas e aplaudir o Doda e a Athina, reverenciando toda a equipe guerreira que por seis anos elevou o nome dos clubes, dos estados e do Brasil.

Somos todos órfãos de Onassis, somos todos muito melhores do que já fomos, em seu legado. Forte abraço, Monzon.