Equipe Jailton vende Havana M para proprietário dos Estados Unidos

A Equipe Jailton concretizou um importante negócio nesta quarta-feira, 8/3, com a venda da égua Havana M para os Estados Unidos. Havana M é um animal Brasileiro de Hipismo, de criação da Estância Mourada, de Minas Gerais, filha de Verdi em égua Cardento, fechando sete anos no final dessa temporada.

Havana M, em clique no Clube Hípico de Santo Amaro, em dezembro de 2016

A espetacular tordilha foi confiada ao cavaleiro Ayrton de Oliveira Santos (Jailton) desde os quatro anos, pela sua ex-proprietária Selli Ham. Iniciada com todo esmero, dedicação e paciência, teve grandes conquistas em 2016, com destaque para o 3º lugar no Campeonato Paulista de Cavalos Novos, 6º no BH do Futuro e campeã do Ranking da ABCCH 6 Anos e do CSN de Ribeirão Preto.

Jailton, especializado na iniciação de cavalos novos

Havana foi comprada por Bruno e Katie Lima para Dorothy E. OBrien LLC e Kevin OBrien, e embarca em abril para Oak Meadow Farm localizada em Iowa, EUA. Sob a sela de Katie Lima, a égua deve iniciar a categoria cavalos novos 7/8 anos, evoluindo para os Minis GPs e GPs.

Saiba mais sobre a Equipe Jailton de Hipismo.

 
Fonte: Brasil Hipismo; Fotos: João Markun/cedidas

“Cavalo não é máquina, mas parceiro e o trabalho adequado faz a diferença” , Sebastian Rohde

A importância da formação de um cavalo novo se reflete no futuro do esporte. Levar um cavalo ao mais alto nível de competição não é tarefa fácil: requer conhecimento técnico, paciência e horsemanship no sentido mais amplo da palavra: começando pelo respeito ao animal, treinamento adequado com planejamento para não atropelar nenhuma fase, chegar à altura de 1.40 metro por volta dos 7/8 anos e seguir carreira a 1.50 / 1.60 metro até depois dos 15 anos.

Hoje a criação do Cavalo Brasileiro de Hipismo (BH) está a altura dos melhores linhagens mundiais. “Fato é que no Brasil são criados cavalos extraordinariamente bons e na
realidade esse mesmo cavalo é igual às melhores linhagens europeias A única questão é formação e essa é a diferença”, discorre o alemão Sebastian Rohde, treinador especializado em cavalos novos, que tem vindo com regularidade ao Brasil desde 2009.

Flash durante a clínica do treinador Sebastian Rohde (terceiro da direita para esquerda) com Tony Fortino e Carolina Mendonça, à sua direito, Beate Susemihl,que atuou na tradução, Geraldo Lamounier e Antonio Celso Fortino, conselheiro da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo de Hipismo, um dos idealizadores da Clínica

Rohde, que trabalhou por muitos anos na Associação do Holsteiner, depois com o
criador Wolfgang Brinckmann, proprietário da Pikeur / Eskadron, atualmente está à frente Associação Internacional do Cavalo Oldenburger para os mercados dos EUA e América
do Sul. O conceito liberal da Associação Oldenburger de Esporte Internacional também vai de encontro à criação do cavalo Brasileiro de Hipismo, sem “bairrismo” para efetuar os registros das mais diversas e melhores linhagens warmblood a nível mundial.

O Brasil Hipismo conversou com Rohde, após mais uma bem sucedida clínica no início de fevereiro no Clube Hípico de Santo Amaro. Confira!

O alemão Sebastian Rohde à direita ao final da Clinica em Santo Amaro com Antonio Fortino e Rafael Christianini

BH. Quantas vezes você já veio para o Brasil e quais suas principais atividades?

Sebastian Rohde. Estive pela primeira vez no Brasil em 2009. Depois passamos a organizar clínicas com o Antonio Fortino e Paulo Foroni, primeiramente, duas a três
vezes por ano, depois quase cinco vezes por ano, acho que já sou meio brasileiro.

Depois que deixei a Associação do Holsteiner, após um pequeno hiato, voltei a montar mais e mediante a agenda não vinha tanto ao Brasil. Durante dois anos trabalhei os
cavalos novos para Wolfgang Brinckmann, proprietário da Pikeur /Eskadron. Agora estou trabalhando na Associação do Oldenburger e sou e sou responsável pelo mercado nos
EUA e América do Sul. O motivo é que a Associação Internacional do Oldenburgo tem 700 membros nos EUA e lá a cada ano nascem 300 potros registrados por nós. Então como já tenho contato na América do Sul com o Brasil, também voltei a vir pra cá.

BH. Mediante a globalização da inseminação artificial, a diferença entre os cavalos de linhagens warmblood está cada vez mais tênue. Pode apontar algum diferencial do Oldenburgo? 

Rohde. Cada vez as linhagens estão mais misturadas e há menos diferenças. A principal diferença é que o cavalo oldenburgo em sua origem – que existe até hoje – é um
warmblood de estatura bastante pesada e não é adequada ao esporte. Era usado na agricultura e é criado até hoje. Mas não tem mais nada com a atual Associação do
Oldenburger de Cavalos de Salto Internacional, fundada em 2001.

Oldenburger do jeito que está hoje é uma associação relativamente jovem e sempre esteve aberta a outras linhas com hannoveranos e holsteiners entre outras. A ideia é
criar um cavalo de esporte , o que basicamente é a diferença. Por exemplo a Associação do Holsteiner é bastante restritiva, por isso, muitos cavalos bons embora tenham
linhagem Holsteiner estão registrados no Oldenburgo, que é uma mistura.

Uma coisa interessante é que dos 21 mil potros warmblood que nasceram na Alemanha em 2016, o mesmo número que há 40 anos, o percentual do Oldenburger quadruplicou, enquanto outros studbooks diminuíram os registros ou desapareceram. Somos uma Associação flexível, demos chances a muitos garanhões. O presidente da Associação do Oldenburger nos EUA é Paul Schockemöhle, cavaleiro alemão e maior criador do mundo, que produz mais de 1000 potros ao ano em seu Haras Lewitz.

BH. Quais os principais destaques da raça Oldenburg no cenário internacional?

Rohde. Weihegold (Don Schufro em Sandro Hit), campeão olímpico por equipes e prata individual de Adestramento com Isabell Werth na Rio 2016, e que recentemente estabeleceu dois recordes em GPs World Cup com aproveitamento acima de 90%. Na modalidade salto são muitos os expoentes como Toulago, montaria do suíço Pius Schwizer, Couleur Rubin, na sela de Ludger Beerbaum, Sandro Boy, vencedor da Copa do Mundo com Marcus Ehning, entre outros.

/ Isabell Werth com Weissgold, um oldenburger top mundial , em ação na Rio 2016 ; img: FEI

BH. Como você avaliou o curso agora em fevereiro no Clube Hípico de Santo Amaro? Em linhas gerais no que se base o treinamento de um cavalo novo para a modalidade salto?

Rohde. Acho que a técnica de montaria está indo pro caminho certo, mesmo que aos poucos. Já verificamos uma outra ideia no que se refere montaria e formação de cavalos
novos. O negócio não é somente saltar alto e largo, mas ter controle sobre o cavalo e a partir daí estar melhor preparado para competir em nível mais alto . A ideia do
programa é que os cavaleiros tenham uma formação para trabalhar os cavalos novos de modo correto e melhor para que com isso o Cavalo Brasileiro de Hipismo também possa
ser melhor vendido.

O cavaleiro Tony Fortino participante regular das clínicas com Sebastian Rohde, em salto perfeito com Daquiri For, de 7 anos

Acho que esse também é um diferencial na Alemanha, onde tem muita criação, mas também se investe na formação dos cavalos. O comércio prospera porque os cavalos são bem trabalhados e podem ser montados por pessoas diferentes. Não basta criar bem é preciso formar os cavalos.

Tivemos vários tipos de cavaleiros na clínica, o que a torna bastante interessante, porque nenhum grupo é igual ao outro. Eu realmente gosto do que faço. Não olho  relógio. É preciso de alguma forma oferecer uma solução aos cavaleiros.

BH. Os mesmos exercícios básicos se aplicam a todos os níveis?

Rohde. Sempre há vários aspectos. A quem quero treinar, o cavaleiro ou cavalo, ou mesmo ambos? Um percurso é feito de diferentes distâncias, mais largas , mais
curtas, e mesmo quando o salto é isolado, nem sempre se acerta a distância ideal e preciso se preparar para o próximo obstáculo..

Não é adequado para o cavalo fazer um percurso todos os dias. Por isso, os exercícios com varas no chão e saltos baixinhos eu preservo o cavalo e assim treinamos a comunicação e a sintonia do olho do cavaleiro em parceria com o cavalo. Há muita coisa a se aprender e não é possível fazê-lo saltando somente percursos. Também não posso, por exemplo, enviar um cavalo novo para escola e dizer agora vamos escrever um ditado ! É preciso fazer uma coisa após a outra, passo a passo. Quando então um cavalo, aos
8 anos, está pronto para saltar a 1.50 metro em algum momento ele também tinha quatro anos e precisou ser formado. E, dessa forma, passo a passo, simplesmente
preparando o cavalo gradativamente para tarefas mais difíceis.

Claro que só se aprende a saltar saltando. Mas antes disso é preciso ter o cavalo sob controle, senão o resto não faz sentido. Eu posso fazer adestramento sem saltar,
mas não posso saltar sem fazer adestramento.

De modo geral quando vejo o hipismo no Brasil, noto que as pessoas gostam mesmo de saltar e não trabalhar. Então  muitos cavalos não vão ultrapassar a barreira da altura de 1.40 metro, sempre pode ter cavalo com mais potencial, isso é algo que a gente vem conversando há muito tempo.

Temos falado sobre cavalos de 5 anos realizarem disputas ao cronômetro no Campeonato Brasileiro. Isso é algo que a gente não conhece e realmente considero besteira. Em geral na Europa, cavalos de 6 anos já fazem disputa ao cronometro. Mas na Alemanha – o cavalo para disputar o Campeonato Alemão precisa vencer somente uma
qualificativa durante o ano. A gente preserva nossos cavalos muito mais, prova para cavalos novos 5 anos só tem uma por final de semana e já na altura de 1.20 / 130
metro não mais que isso. Eles podem concorrer em duas provas, mas em um único dia..

BH. Em linhas gerais, quais as dicas que você pode dar aos cavaleiros e criadores no Brasil?

Rohde. São muitos aspectos diferentes que tornam o Brasil extraordinariamente interessante. Fato é que aqui são criados cavalos muito bons e na realidade esse mesmo
cavalo é igual a linhagens europeias. A única questão é formação e essa é diferença. Na Alemanha, como falei, nosso maior negócio é formar cavalos novos. E quando a
gente fala em esporte ele começa a 1.40 metro, o que vem antes é somente formação.

Por isso, temos centenas de cavalos saltando 1.40 metro e não é nada demais.
Para esporte top é preciso cavalos que saltem 1.50 e 1.60 metro. E o cavaleiro brasileiro em si é extremamente veloz, mas às vezes é necessário não colocar o cavalo
novo na correria para depois aos 8 / 9 anos, ter um cavalo bom na cocheira.

Acho que um profissional também necessita de treinador. Em todos os concursos internacionais, a maioria dos cavaleiros têm seu treinador e trabalham em conjunto. Não é
possível ser diferente.

Na Alemanha muitos profissionais se especializaram em adestramento para cavalos de salto. Talvez eles mesmo não tenham condições de saltar um GP, mas sabem
trabalhar a base do cavalo de adestramento do cavalo para tanto. Um cavalo de GP necessita de movimento, sair da cocheira até 3 vezes por dia. Montar só uma vez por
dia não dá certo, o cavalo pode também ir ao padoque, piquete, andador. Cavalo não é máquina, mas parceiro e o trabalho adequado e detalhes fazem a diferença.

Tony Fortino, cavaleiro que também está investindo na formação de cavalos novos, com Zirocco de 7 anos

Interessante é que não há um caminho que esteja sempre certo. Acho que um problema na Alemanha é que formamos bem nossos cavalos, mas quando eles têm 7/8 anos, também precisam de mais tempo para ficarem mais rápidos e competitivos e isso também requer formação.

Não há um só caminho certo, mas é preciso seguir uma ideia que funciona. Respeito é fundamental. De uma forma ou de outro, o cavalo é um investimento: em algum momento
será vendido ou precisa ser vendido. Nesse sentido a gente corta a própria carne quando não cuidamos adequadamente da formação do nosso cavalo. Ele é o atleta, e se
não for cuidado será perdido e com prejuízo financeiro.

Amadores e profissionais precisam investir nesse parceiro. Se quero mudar alguma coisa aqui no Brasil, não basta conversar com o cavaleiro, mas também com os proprietários, criadores, treinadores e dirigentes que fazem as regras. Todos precisam conversar, entender as necessidades e compromissos de mudanças.

 

Fonte: Brasil Hipismo ; fotos: João Markun, FEI e arquivo pessoal

Flavio Abreu Bernardes e Sparrow vencem série para Cavalos Novos 6 Anos na Itália

No domingo, 23/10, o cavaleiro brasileiro Flavio Abreu Bernardes venceu a prova para Cavalos Novos 6 Anos no Concurso de Salto Internacional 2* de Manérbio, na Itália. Montando Sparrow, um Hannoverano filho de Stolzenberg em Sedanova, foi o duplo zero mais rápido do desempate, finalizando em 35s13. O outro único conjunto no desempate, Markus Hauri e Akile Top, da Suíça, também terminou sem faltas em 36s42.

Flavio Bernardes com seu prêmio, ao lado de Sparrow e do tratador Aparecido, incrível profissional que já esteve em uma Olimpíada acompanhando Luiz Felipe Azevedo; img: reprodução Facebook

Flavio Bernardes com seu prêmio, ao lado de Sparrow e do tratador Aparecido, incrível profissional que já esteve em uma Olimpíada acompanhando Luiz Felipe Azevedo; img: reprodução Facebook

Flavio atualmente está morando e treinando no Principado de Mônaco. Ele e Sparrow não cometeram nenhum derrube em três dias de provas.

 

Resultados

 

Brasil Hipismo; img: reprodução Facebook

Iniciantes e Amadores também têm vez no 11º Festival Nacional do BH na Hípica Paulista

A Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Brasileiro de Hipismo (ABCCH) realiza a 11ª edição do seu Festival Nacional do Cavalo BH entre 9 e 13/11, nas dependências da Sociedade Hípica Paulista.

Valorizando a base da modalidade salto, e como forma de incentivo e fomento para os atletas que estão começando no esporte, o Festival incluiu em sua programação provas exclusivas para os iniciantes nas séries 0,80m e 0,90m no domingo, 13, pela manhã.

logoxifestival

O course designer internacional, Helio Pessoa, e Carlos Alberto Raposo Lopes, desenhador nacional, são os responsáveis pelos percursos das provas para Cavalos Novos, Amadores, Masters e Iniciantes, além do Grande Prêmio que encerra o evento no domingo.

As inscrições para as provas de salto estão abertas pelo site HipismoBr até 28/10. Clique aqui para se inscrever e conferir a programação completa.

O concurso prevê premiação em espécie de mais de R$ 160 mil, dividida entre Cavalos Novos Alta Performance e Off Circuito (acima da idade regulamentar), BH do Futuro, Prova Desafio do Criador e para as séries 1,10m, 1,20m, 1,35m e 1,40 metro.

Não deixe de participar da maior festa do cavalo Brasileiro de Hipismo.

Tony Fortino, especialista na formação de cavalos novos, pede mais atenção aos traçados

Durante a 5ª Etapa da Copa Santo Amaro de Salto, em 10/6, também rolou a 4ª Etapa Copa BH Regional de Cavalos Novos para produtos de 4 a 8 anos. Nas séries 6/7 anos, 1.25 metro, e séries 7/8 anos, a 1.35 metro, quem levou a melhor foi o cavaleiro da casa Antonio Fortino Neto, o Tony. Montando Salamandra Chap Quicka, Tony foi campeão 6/7 anos. Já na série 7/8 anos, o cavaleiro levou Fátima Método à vitória.

Tony com Chap Quicka em ação na Copa Santo Amaro dentro de casa

Tony com Chap Quicka em ação na Copa Santo Amaro dentro de casa; img: JC Markun

Focado em treinamento de Cavalos Novos, um dos pontos que ainda precisa de mais atenção no país, Tony, 27, vem se dedicando ao Circuito de Cavalos Novos tanto o Ranking Bom Sabor da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) como da Asssociação Brasileira dos Criadores do Cavalo de Hipismo (ABCCH). “Estou saltando os dois rankings. Ficou um pouco confuso esse ano com uma prova muito em cima da outra, mas a gente está tentando dar exclusividade para os dois rankings e também as provas de Cavalos Novos da Copa Santo Amaro.”

Entre os destaques da tropa está Cionne Cooper, filha de Ol Metta em Wionne, de propriedade de Tony Fortino, que acaba de completar 9 anos. “Venho trabalhando ela desde os seis anos. Em 2015, com 8 anos, ela ficou entre os seis melhores do Ranking Brasileiro de Hipismo, foi vice-campeã brasileira no Haras Agromen e 3ª colocada no ranking de Cavalos Novos CBH”, conta Tony.

Tony e Cionne: uma dupla franca ascensão

Tony e Cionne: uma dupla franca ascensão; img: Luis Ruas

Outra égua importante aos cuidados de Tony é Chap Quicka, uma filha de Chapman Rouge em Abführen´s Quira, de 6 anos. “Eu vinha montando a Chap Quicka desde os quatro anos e no final do ano passado vendi ela para minha aluna Bianca Rodrigues e estamos nos alternando para saltar o ranking da CBH, Copas BH e Santo Amaro. Ela vem em 2º no lugar no ranking CBH”, comenta Tony.

“Já a Fátima Método, filha de Sidney Método em Potência Método de 6 anos, eu comecei a montar no final do ano passado. Ela é de propriedade do Samir Bassitt e está bem colocada no ranking CBH na categoria 6 anos, foi campeã da categoria no Torneio Estadual de Verão em Santo Amaro e também vencemos a última etapa da Copa Santo Amaro a 1.30 metro”, complementa o cavaleiro, que revelou detalhes sobre sua trajetória no esporte.

Fátima Método na condução de Tony

Fátima Método na condução de Tony; img: JC Markun

“Comecei a montar na escolhinha da Santo Amaro por volta dos 12 anos. Perdi um pouco o começo da categoria de base. Mas fui campeão paulista de young riders com Zyon For”, lembra Tony. “O meu último professor foi o Yuri Mansur que me ensinou muito a ler a cada cavalo , de acordo com que a dificuldade de cada um. Também trabalhei um ano com Gabriel Marques, o Ducha”, acrescenta Tony, que também vendo contando com importante apoio do alemão Sebastian Rohde, um dos cavaleiros com mais expertise em trabalho de cavalos no mundo.

“Eu fiz muita clínica com o Sebastian que a ABCCH trouxe durante 3, 4 anos. Foram mais de 15 clínicas com esse alemão, todas direcionadas somente para cavalos novos. Então eu me especializei um pouquinho mais em cavalos novos, porque meu tio (Antonio Celso Fortino) cria. Foi o Sebastian que me deu um empurrãozinho e ensinou como fazer um cavalo novo.”

Sebastian Rohde: exímio formador de cavalos novos

Sebastian Rohde: exímio formador de cavalos novos

Abernante, égua vice campeã americana junior em 2014 e ouro na Copa das Nações Junior nos EUA em 2015, sob a sela de Bianca Rodrigues, também está entre os cavalos formados por Tony. Para o cavaleiro, o a atual qualidade dos pisos favorece o trabalho dos cavalos novos, mas é preciso dar mais atenção aos traçados das pistas para Cavalos Novos de 4 e 5 anos.

“Hoje temos pisos de primeira qualidade como em Santo Amaro, Hípica Paulista, Hípica Paranaense, Hípica Brasileira no Rio e agora também a Sociedade Hípica de Campinas está trocando o piso. Inclusive o piso da pista no Haras Equiprime na Serra Fluminense também ouvi dizer que está muito bom”, destaca Tony.

Tony e Cionne em ação no Longines Indoor na Hípica Paulista

Tony e Cionne em ação no Longines Indoor na Hípica Paulista

“A qualidade do piso tem grande importância para performance e desenvolvimento dos cavalos. Mas penso que a gente tem que se preocupar mais com armação de percurso para cavalos novos. Eu vejo cada percurso e você fala como pode o armador construir um percurso assim para um cavalo de 4 e 5 anos. Para os cavalos de 7, 8 anos que já estão mais avançados no trabalho, a armação de pista em curvas ser mais próxima de um GP, tudo bem. Mas vejo muita armação de péssima qualidade para os cavalos realmente novos. Não adianta o piso ser bom. Reforço que a qualidade da armação também precisa ser condizente.”

 

Fonte: Brasil Hipismo com fotos JC Markun e Luis Ruas

Santamarenses levam dois ouros no Paulista de Seniores dentro de casa

Os donos da casa dominaram o placar nas primeiras duas finais por equipes do Campeonato Paulista de Seniores que agita o Clube Hípico de Santo Amaro até domingo, 26/7. Em paralelo, a entidade que 2015 completa 80 anos de história, também recebe o Campeonato Paulista de Cavalos Novos de 4, 5, 6 e 7 anos. O Paulista de Seniores acontece em três alturas: Senior Especial, 1.30/1.35 metro com 52 conjuntos, Senior, 1.35 / 1.40 metro com 33 conjuntos, e Senior Top, 1.40 / 1.45 metro com 27 conjuntos.

A amazona Andrea Muniz integrou as duas equipes campeães e lider com duas montarias no Senior Top. Aqui em ação com Maloubet Xangô; img: Luis Ruas

A amazona Andrea Muniz integrou as duas equipes campeães e lider com duas montarias no Senior Top. Aqui em ação com Maloubet Xangô; img: Luis Ruas

Nessa sexta-feira, 24/7, na primeira final por equipes, categoria Senior, o time Azul do Clube Hípico de Santo Amaro com o medalhista pan-americano Cesar Almeida / Baloujana B Império Egípcio, Mario Appel / Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor, Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Caglinett e Isabella Galliez Pinto Salles / Princess Emily foi ouro totalizando 20,05 pontos perdidos. A Sociedade Hípica Paulista garantiu o vice-campeonato e o time branco da casa, bronze, respectivamente com 29,84 pp e 35,32 pp.

Ouro e bronze para o Clube Hípico de Santo Amaro e prata para a Sociedade Hípica Paulista

Ouro e bronze para o Clube Hípico de Santo Amaro e prata para a Sociedade Hípica Paulista

Francisco Musa, tetracampeão brasileiro Senior Top, com Paloma Mia JMen é o líder parcial da categoria Senior pela Associação Hípica Estância Zurita com zero ponto perdido. Enquanto o cavaleiro da casa Mario Appel montando Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor vem em 2º, 1,1pp.

Na 2ª final por equipes – categoria Senior Top, o Clube Hípico de Santo Amaro foi campeão com Cesar Almeida / Kauana HFB Restless, Antonio Fortino Neto / Cionne Cooper, Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Maloubet Xangô e o cavaleiro olímpico José Roberto Reynoso Fernandez Filho / Prestige Radiator JMen totalizando 8 pp. A Sociedade Hípica Paulista garantiu o vice-campeonato com 11 pp.

Parte das equipes do Clube Hípico de Santo Amaro e Sociedade Hípica Paulista muito bem representadas

Parte das equipes do Clube Hípico de Santo Amaro e Sociedade Hípica Paulista muito bem representadas com presença de William Almeida, presidente do CHSA

Na contagem individual quatro conjuntos com duplo zero falta na Final por equipes vem em 1º lugar: Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Gucci van´t Meulenhof e Maloubet Xangô, por Santo Amaro, Guilherme Dutra Foroni / SL Implacável, pelo Centro Hípico de Mairiporã, Marcos da Costa Ribeiro Junior com Arica du Caillou, pela Hípica Paulista.

Todas as finais individuais do Paulista de Seniores acontecem no domingo, 26/7, e nesse sábado, 25, tem a final por equipes da categoria Senior Especial que na primeira parcial dessa sexta, 23, teve vitória de Luis Gustavo Godinho com Aachen Ipiranga, pelo Centro Hípico Terras de São José II, seguido por Francisco Musa apresentando Bolero JMen, pela Estância Zurita, e José Luiz Guimarães de Carvalho montando California RT, todos sem faltas, em 64s90, 70s86 e 70s92, entre um total de 52 conjuntos. O sábado, 24,também é dia de decisão do Paulista de Cavalos Novos 4,5,6 e 7 anos.

Prestigie. A entrada é franca.

Veja como ficou o placar das equipes e quem são os líderes individuais.

Senior – 1.35 metro – Final por Equipes

Campeã Clube Hípico de Santo Amaro Azul – 20,05 pp

Cesar Almeida / Baloujana B Império Egípcio
Mario Appel / Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor
Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Caglinett
Isabella Galliez Pinto Salles / Princess Emily

Vice-campeã Sociedade Hípica Paulista – 29,84 pp

José Luiz Guimarães de Carvalho / Fernando N 89 Z
Mario João Boff Neto / Chevrolet Serviços Financeiros Refasol Tame
Nicolas Georges Dattelkremer / Prince Ricardo

3ª colocada Clube Hípico de Santo Amaro Branca – 35,32 pp

Karina Goldmann Lemos Torres / Kauana Trumpf de Lys
Krizia Kartalian Ayrosa Galvão / QH Coreland
Rodrigo Garcia Bass / Coupe Fortis
José Roberto Reynoso Fernandez Fº / Prestige Corindhus JMen Sanol Dog Protécnica
Classificação parcial após 2 de 3 provas – 33 conjuntos

1º Francisco Musa / Paloma Mia JMen – Associação Hípica Estância Zurita – 0 pp
2º Mario Appel / Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor – Clube Hípico de Santo Amaro – 1,1pp
3º Guilherme Dutra Foroni / SL Opio – Centro Hípico Mairiporã – 2,61 pp
4º José Roberto Reynoso Fernandez Fº / Prestige Corindhus JMen Sanol Dog Protécnica – Clube Hípico de Santo Amaro – 2,68 pp
5º Ana Eliza Aguiar Ramos / Elstar Império Egípcio – Haras Império Egípcio – 4,16 pp
6º Luis Gustavo Godinho / Sumo Langonnais – Centro Hípico Terras de São José II – 4,97 pp

Final por equipes Senior Top -1.40 metro

Campeã Clube Hípico de Santo Amaro – 8 pp

Cesar Almeida / Kauana HFB Restless
Antonio Fortino Neto / Cionne Cooper
Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Maloubet Xangô
José Roberto Reynoso Fernandez Filho / Prestige Radiator JMen

Vice-campeã Sociedade Hípica Paulista – 11 pp

Fabio Sarti / Udanum Vila Fal
Marcos Antonio da Costa Ribeiro Junior / Arica du Caillou
Nicolas Georges Dattelkremer / Princess Clara
José Luiz Guimarães de Carvalho / VDL Wagrain

Classificação parcial após 2 de 3 provas – 27 conjuntos

1º Guilherme Foroni / SL Implacável – Centro Hípico Mairporã – 0 pp
1º Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Gucci van´t Meulenhof – Clube Hípico de Santo Amaro – 0 pp
1º Marcos Antonio da Costa Ribeiro Junior / Arica du Caillou – Sociedade Hípica Paulista – 0 pp
1º Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Maloubet Xangô – Clube Hípico de Santo Amaro – 0 pp

Senior – 1.35 metro – Final por Equipes

Campeã Clube Hípico de Santo Amaro Azul – 20,05 pp

Cesar Almeida / Baloujana B Império Egípcio
Mario Appel / Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor
Andrea Guzzo Muniz Ferreira / Caglinett
Isabella Galliez Pinto Salles / Princess Emily

Vice-campeã Sociedade Hípica Paulista – 20,05 pp

José Luiz Guimarães de Carvalho / Fernando N 89 Z
Mario João Boff Neto / Chevrolet Serviços Financeiros Refasol Tame
Nicolas Georges Dattelkremer / Prince Ricardo

3ª colocada Clube Hípico de Santo Amaro Branca – 35,32 pp

Karina Goldmann Lemos Torres / Kauana Trumpf de Lys
Krizia Kartalian Ayrosa Galvão / QH Coreland
Rodrigo Garcia Bass / Coupe Fortis
José Roberto Reynoso Fernandez Fº / Prestige Corindhus JMen Sanol Dog Protécnica
Classificação parcial após 2 de 3 provas – 33 conjuntos

1º Francisco Musa / Paloma Mia JMen – Associação Hípica Estância Zurita – 0 pp
2º Mario Appel / Jordan Horses Ubiquiste de Grandheid Bom Sabor – Clube Hípico de Santo Amaro – 1,1pp
3º Guilherme Dutra Foroni / SL Opio – Centro Hípico Mairiporã – 2,61 pp
4º José Roberto Reynoso Fernandez Fº / Prestige Corindhus JMen Sanol Dog Protécnica – Clube Hípico de Santo Amaro – 2,68 pp
5º Ana Eliza Aguiar Ramos / Elstar Império Egípcio – Haras Império Egípcio – 4,16 pp
6º Luis Gustavo Godinho / Sumo Langonnais – Centro Hípico Terras de São José II – 4,97 pp

 

Resultado completo – clique aqui

Entrada Franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 508 – Santo Amaro – SP

Prova de qualificação para o Grande Prêmio Longines teve vitória portuguesa de Lucas Brambilla e vice para Fernando Costa do Brasil

Chegou o dia mais esperado do principal concurso de salto do continente em picadeiro coberto. Os 46 melhores conjuntos do País, inclusive o medalhista olímpico Doda de Miranda, prometem levar emoção ao público que deve lotar a arena da Sociedade Hípica Paulista (SHP), com entrada franca, neste domingo (19). O Grande Prêmio começa às 14h30 e um dos destaques é o cavaleiro Lucas Martins Brambilla, representante de Portugal, vencedor da prova internacional de qualificação para o Longines São Paulo CSI-W Indoor.

Lucas e Busch Van Het Prinsenveld

Lucas e Busch Van Het Prinsenveld

Montando Busch Van Het Prinsenveld, Lucas zerou o percurso duas vezes, na primeira passagem e no desempate disputado por nove conjuntos. Após vencer Fernando Costa,o Bigorna,  (Valdisere) por apenas 50 centésimos, o campeão, de 29 anos, acompanhou emocionado o hasteamento da bandeira portuguesa no picadeiro da SHP. Luis Felipe Alves (Valdez Assolute) foi o terceiro colocado, enquanto Doda (Ariness Vant Wolferink) ficou em sexto lugar.

Bigorna em pleno võo

Bigorna em pleno võo

Assim que desmontou, Lucas extravasou sua emoção pelo celular. “Gordinha, você não acredita, o hino de Portugal tocou pela primeira vez! Se Deus quiser vamos tocar domingo, de novo, vozinha!”, comemorou radiante de felicidade, o cavaleiro gaúcho em ligação para Pelotas (RS), onde vive a avó portuguesa, Norma Martins, carinhosamente chamada de ‘Gordinha’ pelo neto Lucas, que dedicou a vitória também ao avô, Armindo. “Devo minha naturalização a eles, mas também estou pensando em minha esposa e na minha filha”.

A opção pela mudança de nacionalidade é recente e tem como objetivo representar Portugal no Campeonato Europeu e em outras competições importantes, como os Jogos Olímpicos. “Tomei a decisão neste ano, após vencer o Campeonato Brasileiro em 2013. Internacionalmente, optei por competir por Portugal”. Lucas pretende levar a energia da vitória para domingo. “Serão os mesmos conjuntos, mas o nível técnico do GP será mais alto. Agora estamos mais confiantes ainda, eu e o cavalo. Aliviei o peso e entrarei na pista mais tranquilo”.

Ganhador de duas medalhas olímpicas por equipe, em Atlanta e em Sydney, Doda de Miranda disputou a primeira prova internacional na SHP com duas montarias, Willen e Ariness, e fez pista limpa em ambas as passagens, porém, perdeu um ponto com Willen por excesso de tempo. Com Ariness ficou em sexto, ao derrubar o último obstáculo no desempate. “Gostei muito do concurso, não cometi faltas. No desempate, tentei fazer um lance a menos para reduzir o tempo, mas a égua não tem muita experiência. Exigi demais, eu errei”, reconheceu Doda, assumindo a responsabilidade de forma consciente.

Doda e Ariness

Doda e Ariness

“O Guilherme (Jorge, armador do percurso) armou muito bem, com grau de dificuldade progressiva. Vi que será possível saltar o GP com as duas montarias. O Willen tem mais experiência, mas a Ariness também está preparada. Será uma ótima competição”, afirmou o cavaleiro mais bem colocado no ranking da Federação Equestre Internacional (38º), residente na Bélgica e que veio a São Paulo especialmente para o concurso.

Entre os atletas mais experientes, o medalhista pan-americano e vencedor da prova de 1,35 no The Best Jump, em Porto Alegre, no início do mês, Vitor Alves Teixeira com Boomerang também zerou a primeira passagem. Acabou a prova de qualificação em nono, mas acredita que no GP será mais bem sucedido. “O cavalo não saltava há muito tempo, desde a final do indoor de Porto Alegre, em agosto. Eu fiz a primeira curva muito rápida e ele me pregou uma peça, mas para domingo vai melhorar bastante. O forte dele é a potência”.

Programação

Dia 19 – domingo
09h00 – Prova 16 – CSN 1,25m
11h30 – Prova 17 – CSN – 1,35m
13h30 – Leilão beneficente
14h30 – Prova B – CSI – 1,50m / Longines Grand Prix CSI-W Indoor
16h45 – Prova Sky Carro x Cavalo
18h00 – Prova B – CSI – 1,50m – Desempate / Longines Grand Prix CSI-W Indoor

O Longines São Paulo CSI-W Indoor 2014 tem organização da Sociedade Hípica Paulista com chancela da Confederação Brasileira de Hipismo e Federação Equestre Internacional. Patrocinam o evento Longines, Hyundai, Coelho da Fonseca, Intermarine, Café Três Corações, Artefacto Beach & Country, Agaxtur, Momuusk, Dicate, Sky e Cia City com apoio de By Kamy, Ceratti, Hotel Tryp, Meta Solutions, Shopping Market Place, BR Mobile, Greenext e Chivas Regal.

Mais informações, resultados e transmissão ao vivo no site www.shp.org.br
– na fan page : www.facebook.com/SociedadeHipicaPaulista
– Instagram: sociedadehípicapaulista

 
Fonte: ZDL Comunicação com fotos: Luis Ruas

Vencedores da última etapa, atuais líderes e agenda do Circuito BH

Durante o Concurso da Salto Nacional 79º Aniversário do Clube Hípico de Santo Amaro, a entidade também recebeu a 12ª etapa do Circuito nacional da Raça Brasileiro de Hipismo 2014, destinada a cavaos novos.

Estiveram em pista entre 2 e 5/9, 102 conjuntos na soma das cinco séries. Veja a seguir a classificação com flashes dos vencedores.

 
Cavalos Novos 8 anos – 14 conjuntos

Azimut Premiere com Felipe Juarez de Lima; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

Azimut Premiere com Felipe Juarez de Lima; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

1º Azimut Premiere / Felipe Juares de Lima – 36 pontos – 0/39s65
2º SL Opio / Guilherme Dutra Foroni – 36 pontos – 4/37s64
3º Arielle des Bergeries / Rodolfo Braido Locoselli – 33 pontos

 

Cavalos Novos 7 anos – 21 conjuntos

Macarena Tok venceu a etapa sob a sela de Lourenço Vieira da Silva; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

Macarena Tok venceu a etapa sob a sela de Lourenço Vieira da Silva; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

1º Macarena Tok / Lourenço Vieira da Silva – 40 pontos – 0/33s69
2º Luis Gustavo Godinho / Ackland Ipiranga – 40 pontos – 0/35s89
3º Prada Império Egípcio / Renato Junqueira Arantes – 40 pontos – 0/36s78

 

Cavalos Novos 6 anos – 29 conjuntos

Corbella chegou em 1º sob o  comando de Marcos Antonio Ribeiro; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

Corbella chegou em 1º sob o comando de Marcos Antonio Ribeiro; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

1º Corbella JMen / Marcos Antonio da Costa Ribeiro – 40 pontos – 0/29s72
2º JCR Carbelle / Francisco José Mesquita Musa – 40 pontos – 0/30s52
3º Sol du Revel / Artemus de Almeida – 40 pontos – 0/31s59

 

Cavalos Novos 5 anos – 34 conjuntos

Delfina Polana com Rafael Felipe da Cruz; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

Delfina Polana com Rafael Felipe da Cruz; imagem: Duílio/Tupa Vídeo

1º Delfina Polana / Rafael Felipe da Cruz – 40 pontos – 0/0s58
2º Tiffany B Império Egípcio / Renato Junqueira Arantes – 40 pontos – 0/2s39
3º Gladius JMen III / Guilherme Foroni – 40 pontos – 0/2s64

 

Cavalos Novos 4 anos – 5 conjuntos

1º Farese / Elissandro Freitas – 18 pontos – 1/2s33
2º Acarole do Refúgio / Julio Guimarães Azevedo – 18 pontos – 4/1s34
3º An Zanlove / Ayrton de Oliveira Santos – 15 pontos

 
Agende-se

Com o cancelamento da 13ª etapa, a 14ª prova acontece em 24 e 25/9, paralelamente ao Campeonato Brasileiro de Amadores, também no Clube Hípico de Santo Amaro. Lucia Faria Alegria Simões assina os percursos nas pistas de grama e areia. Atenção, pois as inscrições se encerram na terça-feira, 16/9. Faça sua inscrição aqui.

A 15ª etapa será realizada durante o Concurso de Salto Nacional Agromen, em Orlândia, de 24 a 26/10, e a grande final acontece no Festival Nacional do Cavalo Brasileiro de Hispismo, entre 7 e 9/11, na Sociedade Hípica Paulista.

 
Líderes

Após 9 etapas válidas, alguns conjuntos despontam na liderança. Entre os Cavalos Novos 4 anos quem vem na frente é Lonely Heart Rosebud e Marcio Alexandre Sales somando 59 pontos. Nos 5 anos a atual líder é MSC Liona com Cleison Botelho Souza e 297 pontos. Na categoria 6 anos, HFB Delano e Felipe Juarez de Lima estão à frente com 260 pontos no total. Dentre os cavalos de 7anos, a vencedora da etapa, Macarena Tok, somou 249 pontos sob a sela de Lourenço Vieira da Silva. SL Ópio é o atual líder entre os Cavalos Novos 8 anos sob o comando de Guilherme Dutra Foroni com o somatório de 131 pontos.

 
Fonte: Brasil Hipismo e CHSA

Felipinho Azevedo e Julio Mattos garantem vitória com cavalos novos 7/8 anos e 6 anos na Copa Carioca

O medalista olímpico Luiz Felipe de Azevedo conduziu a castanha Fape Silvelady da Amoranda ao primeiro posto da abertura da Copa Carioca de Amadores e Cavalos Novos na categoria novos 7/8 anos, nesta sexta-feira, 23/5, na pista Roberto Gabizo de Faria, do Condomínio Paddock , em Pedro do Rio.

No segundo posto chegou Sl Bangalô, montado por Hercules Gadelha e nas quatro posições seguintes, quatro cavalos de Francisco Soares Brandão:Barack do Santo Antonio, Chanta Libre do Santo Antonio, Hermes do Santo Antonio e Wieta do Santo Antonio, todos recentemente importados e conduzidos por Rodrigo Lima, Julio Mattos e os dois últimos por Thiago Mattos.

Na prova dos seis anos, mais um representante da coudelaria Francisco Brandão, Carthano do Santo Antonio, apresentado por Julio Mattos, chegou na frente e entre os cinco anos, o melhor foi Zuleika RJ, apresentada por Alban Godefroit. Na categoria quatro anos, o primeiro posto ficou mais uma vez com uma criação do Haras RJ, de Roberto Jessorum, Aletha, apresentada por Godefrois.

Neste sábado acontece a final da série Cavalos Novos desta primeira etapa da Copa Carioca de Amadores e Cavalos Novos.

Julio Mattos com

Julio Mattos com Carthano do Santo Antonio recebendo seu premio das mãos de Zeca Palhares e da amazona olímpica Leslie McNaught

Os percursos desta etapa são assinados pelo cavaleiro olímpico Carlos Vinícius Gonçalves da Motta e o torneio conta ainda com mais três etapas, a serem realizadas na excelente pista de grama do Condomínio Mondesir, também em Pedro do Rio, no final de junho, no Vale das Videiras, em julho e a grande final novamente no Paddock, em agosto.

A Copa Carioca de Amadores e Cavalos Novos tem organização da FEERJ e Stud Nacumé e patrocínio de ITAIPAVA/Cerveja Black Princess, AD LIFE STYLE, CMN Engenharia, Limpart e Best Choice. O torneio oferece mais de R$ 3 mil em prêmios para os amadores por etapa e o conjunto campeão da Categoria Amador leva uma sela Pessoa. As demais categorias recebem vales de mais de R$ 1500,00.

Todas as etapas valem pontos que serão somados e não há descartes. Na etapa final, os pontos têm peso 1,5 nas provas ao cronômetro e 2,0 nos GPs. Na série Amador, está em disputa ainda o Troféu Perpétuo Rodolphão, em homenagem ao cavaleiro amador e homem do cavalo Rodolpho Figueira de Mello. Neste sábado, a provas começam às 9 horas.

 

Resultados completos: www.feerj.com.br

Fonte: Christiane Paiva Chaves – CPC Comunicação

 

D Coriática apresentada por Loisse Garcia é a campeã do Ranking 7 anos na Hípica Brasileira

Disputado até o final entre AD Coriática e Amadore, a primeira, uma fêmea tordilha filha de Coreal e Atlética Joter acabou levando a melhor no desempate da etapa final do Ranking de Cavalos Novos de 7 anos do Jubileu de Brilhante da Sociedade Hípica Brasileira, nesta sexta-feira, na pista Roberto Marinho. Ad Coriática foi apresentada por Loisse Garcia e fez dois percursos sem faltas nos obstáculos armados por Érica Sportiello para esta última etapa.

D Coriática na condução de  Loisse Garcia

D Coriática na condução de Loisse Garcia

 

O vice-campeonato ficou com o ótimo castanho importado Amadore, que vinha sendo montado por Karen Romano Rachid mas, na última hora, teve que ser conduzido por Marcelo Granadeiro devido a uma lesão da amazona. Ele também foi para o desempate mas acabou cometendo um deslize e a tordilha, que fez ótimas apresentações,levou o troféu.

Entre os cavalos de 6 anos, Willa RJ foi a campeã. Nesta última etapa, foi pilotada por Waldir Pereira Júnior mas seu cavaleiro é Alban Godefrois, que também está machucado. Uma troca de pilotos também para a vice-campeã Caralmée do Galope Masangana que disputou o Ranking sob o comando de José Marcos de Souza Baptista e nesta final teve condução do Major Ruy Couto.

Willa RJ com Waldir Pereira Junior

Willa RJ com Waldir Pereira Junior

Natividade LCF, que vinha com vantagem, confirmou o favoritismo e, sob a sela de Roberto Mendonça Dias, terá seu nome gravado na placa comemorativa do Ranking do Jubileu da SHB como campeã de 5 anos. O vice-campeonato foi para Alegretto de Itauá, montada de Christina Miranda. E, finalmente, os melhores potros de 4 anos da Hípica foram Nina Domar,  com Elielson de Souza, campeão e Scaface, apresentado por Oswaldo Aurélio Campos Filho, que foi vice-campeão de 4 anos., que vinha com vantagem, confirmou o favoritismo e, sob a sela de Roberto Mendonça Dias, terá seu nome gravado na placa comemorativa do Ranking do Jubileu da SHB como campeã de 5 anos. O vice-campeonato foi para Alegretto de Itauá, montada de Christina Miranda. E, finalmente, os melhores potros de 4 anos da Hípica foram Nina Domar, com Elielson de Souza, campeão e Scaface, apresentado por Oswaldo Aurélio Campos Filho, que foi vice-campeão de 4 anos.

Natividade LCF com Roberto Mendonça Dias

Natividade LCF com Roberto Mendonça Dias

Todas as demais categorias que disputam o Ranking do Jubileu terão suas etapas finais realizadas durante do Concurso Nacional de Saltos de Aniversário da SHB, a partir de quinta-feira. O Ranking do Jubileu da SHB tem apoio de AD Lifestyle, Maison Du Cavalier e Casa Moreira Calçados.

Todas as provas têm transmissão ao vivo e resultados em tempo real no site www.shb.com.br.
Fonte: Christiane Paiva Chaves – CPC Comunicação; imagens: Russo – Fotografia