1ª Etapa do Paulistão 2017 no CHSA define 13 títulos: Jovens Cavaleiros, Masters, Iniciantes e Young Riders

Entre 22 e 25/6 o Clube Hípico de Santo Amaro receb a 1ª de três semanas do Campeonato Paulista de Salto 2017 nas categorias Masters, Jovens Cavaleiros, Young Riders e Iniciantes. As categorias Masters (acima de 40 anos) e Jovens Cavaleiros (12 a 21 anos) são disputadas em quatro alturas: 1, 1.10, 1.20 e 1.30 metro. Salto para Iniciantes também tem quatro alturas: 0.40, 0.60, 0.80 e 0.90 metro. Já a série Young Riders (16 a 21 anos), considerada de alto rendimento e último passo para categoria Senior e Senior Top, é disputada a 1.45 metro de altura.

Neste primeiro final de semana, a competição reúne 414 conjuntos (cavaleiro + cavalo). Entre os Masters, Antonio Manoel Lopes Sanches, campeão do ranking brasileiro, bicampeão brasileiro 2013/14, bicampeão paulista 2015/16 e pentacampeão do ranking paulista, Marco Antonio Frederico, campeão paulista e do ranking master em 2015, e Ricardo Leoni Maffei, campeão do ranking paulista e brasileiro em 2012, estão entre os destaques.

No Paulistão 2017 competem atletas de 8 a 74 anos de idade. São três semanas de competição. Na segunda, entre 29/6 e /2/7, serão definidos os títulos das categorias Mini Mirim, Pré-mirim, Mirim e Cavalos Novos e, finalmente na terceira semana, entre 5 e 9/7, acontecem as disputas das categorias Pré-junior, Junior, Senior e Amadores.

Tudo pronto para o Paulistão no CHSA com provas nas pistas de areia e grama

A competição, entre 22/6 e 9/7, é organizada pela Federação Paulista de Hipismo e conta pontos também para o Troféu Eficiência 2017 (Ranking Paulista). Além disso, os três primeiros colocados de cada categoria formarão a equipe que representará São Paulo no Campeonato Brasileiro de Saltos. O campeão de categoria terá inscrição e estabulagem no Campeonato Brasileiro paga pela FPH.

Patrocinam o Paulista 2017: Divena, Input, Sanol Dog, Vale alimentação animal, Phytoervas, Vanessa Quintiliano, Decathlon.

Acompanhe o placar do Paulista de Masters, Jovens Cavaleiros, Iniciantes e Young Riders
Programação e Inscrições Paulista Mini-mirim, Pré-mirim, Mirim e Cavalos Novos

Programação e Inscrições Paulista Pré-junior, Junior, Senior e Amadores

Entrada franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 508
Estacionamento: R$ 25

Via CHSA

André Miranda com Prada Império Egípcio fatura mini GP no CSN D Maio em Santo Amaro

No domingo, 30/4, penúltimo dia do Concurso de Salto Nacional D Maio no Clube Hípico de Santo Amaro (SP), 65 conjuntos largaram na Copa Ouro, a 1.35 metro. Dezesete habilitaram-se ao concorrido desempate com armação do course-designer internacional paranaense Vailton Jaci Cordeiro, o Baíca. Montando Prada Império Egípcio, o top pernambucano radicado em São Paulo André Miranda fez pista limpa, em 39s61, marca que lhe garantiu a vitória.

Vitória para André e Prada Império Egípcio

“A Prada tem nove anos e estou montando ela há dois meses e meio. Estou muito satisfeito com o resultado. Agradeço ao proprietário Daniel Aguiar e toda equipe do Haras Império Egípcio”, destacou o medalhista pan-americano André, campeão brasileiro senior top 2004.

Rodrigo Sarmento montando Calvorado JMen, uma das duplas mais competitivas do país, foi vice, sem faltas, 39s65.

Rodrigo Sarmento e Calvorado JMen

Em 3º lugar chegou o cavaleiro da casa Ricardo Monteiro da Luz, o Ricão, montando o veterano Jabuticaba, que aos 21 anos segue em plena forma, pista limpa, 40s33.

Ricão e Jabuticaba

Nessa segunda-feira, 1º de maio, o evento prossegue com mais oito provas de 1 a 1.30 metro. A entrada é franca.

Copa Ouro – 1.35 metro
Campeão André Miranda / Prada Império Egípcio – FPH – 0/0/39s61
Vice Rodrigo Sarmento / Calvorado JMen – FPH – 0/0/39s65
3º Ricardo Monteiro da Luz / Jabuticaba – FPH – 0/0/40s33
4º José Roberto Reynoso Fernandez Filho / Cascola – FPH – 0/42s44
5º Alberto Assumpção Muylaert / C´Est Dorijke – FPH – 0/45s50
6º Camila Ney Messias / Espoir 17 – FPH – 0/46s69

Resultados e Ordens de Entrada
Entrada franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 509
Estacionamento R$ 25

Bruno Pessanha com Transwaal Alouette, de 18 anos filha do craque Baloubet, papa GP no CSN D Maio

No sábado, 29/4, o GP, principal disputa do Concurso de Salto Nacional D ´Maio, agitou o Clube Hípico de Santo Amaro em São Paulo. O mineiro radicado no interior paulista Bruno Pessanha montando a craque Transwaal Alouette van het Lambroek, uma filha do lendário Baloubet du Rouet de nada menos que 18 anos, dupla que também venceu a prova a 1.40 na sexta-feira, 28/4, foi o grande campeão.

Bruno e Allouette: 100% de aproveitamento no CSN D Maio

Dos 40 conjuntos, dos 12 melhores dos quais 9 sem faltas habilitaram-se à 2ª e decisão volta, a 1.45 metro, com armação do course-designer internacional Vailton Jaci Cordeiro. Bruno e Transwaal Alouette foram o último conjunto em pista e com mais um percurso sem faltas em 45s75 garantiram a vitória.Em 2º lugar chegou Marcos Ribeiro dos Santos apresentando Albar Armani de Carmel, duplo zero, 50s73.Na 3ª colocação aparece Fernando Bastos Filho com Doliver Método, sem faltas, 54s20.

Marquinhos com  Albar Armani de Carmel e Fernando apresentando Doliver Método

Bruno Pessanha, mineiro de 33 anos radicado há oito anos na região de Ribeirão Preto onde trabalha para os Haras Transwaal e Manoel Leão, fez uma dedicatória especial. “Essa conquista vai para o meu filho Gustavo que nasce essa semana e minha mulher Fernanda. A premiação vai ajudar no enxoval. E, é claro, também para Lourenço Biagi, proprietário da Alouette, e toda a equipe do Haras Transwaal.”

Só alegria no CSN D Maio com duas vitórias

Sobre Alouette, Bruno destaca: “podemos dizer que com 18 anos ela já é uma vovó. Monto ela há cerca de dois anos e meio e sempre que saimos para um concurso ganhamos pelo menos uma prova. Ela é, sem dúvida, o melhor cavalo que já montei e já tem filhas saltando 1.60 metro na Europa. O Haras Transwaal importou a Alouette para criação e ela tinha uma pequena lesão, tratamos e está em plena forma. Escolhemos provas onde tem piso bom e fazemos um planejamento para que se mantenha em alto rendimento durante o maior tempo possível”, destaca Bruno, que em 2016 foi vice no GP do The Best Jump que acontece semana que vem. “Mas esse ano não vamos, agora nosso próximo compromisso é na Copa São Paulo no início de junho na Sociedade Hípica Paulista.”

No domingo, 30/4, o evento segue com mais mais nove provas com destaque para o mini GP, às 15 horas, e no Feriado do Trabalhador, em 1/5, outras oito provas encerram a competição. A entrada é franca.

Clássico – 1.45 metro

Campeão Bruno Chaves Pessanha / Transwaal Alouette van het Lambroek – FPH – 0/0/45s75
Vice Marcos Ribeiro dos Santos / Albar Armani de Carmel – FPH – 0/0/50s76
3º Fernando Bastos Filho / Doliver Método – FPH – 0/0/54s20
4º Tomas Podolsky Rossilho / Juice & Toast Elodice Van Het Hellehof TPR – FPH 4/0/43s63
5º Francisco José Mesquita Musa / Top Horse Casadora JMen – FPH – 0/4/43s77
6º Artemus de Almeida / M.E.C.G Casillero – FPH – 0/4/43s98
Resultados, Ordens de Entrada e Horários

Entrada franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 509
Estacionamento R$ 25
Com a fonte: CHSA ; fotos: Luis Ruas / CBH

Bruno Pessanha e Transwall Allouette vencem principal disputa na largada do CSN d Maio em Santo Amaro

Nessa sexta-feira, 28/4, abrindo o 3º Concurso de Salto Nacional D Maio no Clube Hípico de Santo Amaro (SP) que segue até o Feriado do Trabalhador, 1/5, a vitória na principal disputa do dia, a 1.40 metro,foi de Bruno Chaves Pessanha com Transwaal Allouette van het Lambroek. A premiada dupla do interior paulista garantiu pista limpa no ótimo tempo de 62s87.

Bruno e Transwaal Allouette van het Lambroek em plena forma

Participaram da disputa a 47 conjuntos. Sempre no placar, Rafael Ribeiro montando NM Churra garantiu o 2º posto, sem faltas, 64s20.

Rafael em ação com NM Churra

A 3ª colocação foi de Tomas Rossilho montando Juice Toast Elodice van het Hellehof, pista limpa, 65s32. Ambos por São Paulo.

Tomas e Juice Toast Elodice van het Hellehof

Ao longo da competição serão disputadas 39 provas para todos os níveis e categorias com premiação total de R$ 104,800 mil, dos quais R$ 89,500 mil são destinados à série Nacional e R$ 15,3 mil à Copa Nacional de Cavalos Novos. Na série Nacional são 815 as inscrições e na Copa de Cavalos Novos, 165 produtos entram em pista.

Nesse sábado, 29, acontecem sete provas com destaque para o Clássico, a 1.45 metro, principal disputa do CSN D Maio, com início previsto para as 16h00. O público também está convidado a conhecer a Escola de Equitação do CHSA e agendar uma aula experimental.

Resultados 18/4

1.40 metro – 48 conjuntos – Senior, Junior e Young Rider

1º Bruno Chaves Pessanha / Transwaal Allouette van het Lambroek – FPH – 0/62s87
2º Rafael Ribeiro / NM Churra – FPH – 0/64s20
3º Tomas Rossilho / Juice Toas Elodice van het Hellehof – FPH – 0/65s32
4º Pedro Henrique Tavora de Matos / Germanico T – FPH – 0/75s024
5º Flavio de Castro Martinez Filho / Aubaine de Mai – FPH – 0/76s15
6º Cesar Almeida / Wingina – FPH – 1/80s16

1.20 metro – Amador e Master (agrupado) – 28 conjuntos

1º Carlos Felipe de Souza Leão / Nobel D´Enhaut – FPH
2º Giancarlo Aquino / Latina do Gerezin – FPH

1.30 metro- Junior e Senior (agrupado) – 70 conjuntos

1º Rafael Ribeiro / Brucce Climber – FPH
2º Rodrigo Lemos de Moraes Sarmento / Calvorado JMen – FHMG

1.30 metro – Pré-Junior, Junior, Jovem Cavaleiro Top, Amador Top e Master Top (agrupado) – 28 conjuntos

1º Daneli Miron / MD Serenada do Montesec – FPH
2º Jennifer Foster / Fernando N 89 Z – FPH

1.10 metro – Amador A e Master A (agrupado) – 28 conjuntos

1º Simone Mourão Zurita / Vulcan – FPH
2º Pedro Alberto Moreira Leite / Continue 7 – FPH

Horários, Ordens de Entrada e Resultados

Entrada franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 509
Estacionamento R$ 25
Via CBH com infos CHSA; fotos: Luis Ruas

Final de semana tem Nacional de Salto D´ Maio em Santo Amaro

Nesse final de semana, de 28/4, até o Feriado do Trabalhador, em 1/5, o Clube Hípico de Santo Amaro (SP) recebe o III Concurso de Salto Nacional 2* D Maio´ e 4ª Etapa da Copa Nacional de Cavalos Novos. Serão disputadas 39 provas para todos os níveis e categorias com premiação total de R$ 104,800 mil, dos quais R$ 89,500 mil são destinados à série Nacional e R$ 15,3 mil à Copa Nacional de Cavalos Novos. Na série Nacional são 815 as inscrições e na Copa de Cavalos Novos, 165 produtos entram em pista.

Entre os destaques estão os tops do Brasil José Roberto Reynoso Fernandez Filho, bicampeão brasileiro senior top e que acaba de chegar de uma bem sucedida temporada nos EUA, Francisco Musa, tetracampeão brasileiro senior top, o medalhista pan-americano Cesar Almeida, Artemus de Almeida, entre muitos outros. A nata jovem também entre em pista com destaque para os representantes da casa Juliana Salles Almeida, Daneli Miron, Eduardo Barbara, respectivamente, campeões do ranking brasileiro Mirim, Pré-mirim e Mini-mirim 2016.

“É muito bom voltar para casa, encontrar os amigos e saltar na frente da nossa torcida. Convido a todos para prestigiar a competição no Clube Hípico de Santo Amaro”, destaca Zé Reynoso, atualmente o mais premiado cavaleiro em atividade no país.
A armação de pista está a cargo do paranaense Vailton Jaci Cordeiro, responsável pelos percursos na areia, e o paulista Carlos Alberto Raposo Lopes arma na pista de grama. A principal disputa, o Clássico, a 1.45 metro, acontece no sábado, 29/4, com início previsto para as 16h00. No domingo, 30/4, a Copa Ouro, a 1.35 metro, promete muito adrenalina a partir das 15h00. A competição segue até segunda-feira, 1/5, com mais oito provas.

O público também está convidado a conhecer a Escola de Equitação do CHSA e agendar uma aula experimental.

Horários, Ordens de Entrada e Resultados
http://www.chsa.com.br/home/csn2-d-maio-e-copa-cavalos-novos-chsa-274-a-15/

Entrada franca
Clube Hípico de Santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 509
Estacionamento R$ 25

Fonte: CHSA ; img divulgação / João Markun

CSN D´ Maio e a 4ª Etapa Copa Nacional de Cavalos Novos agita o CHSA na virada do mês

De quinta-feira, 27/4, até o Feriado do Trabalhador, em 1/5, o Clube Hípico de Santo Amaro (SP) recebe o III Concurso de Salto Nacional 2* D Maio´ e 4ª Etapa da Copa Nacional de Cavalos Novos. Serão disputadas 39 provas para todos os níveis e categorias com premiação total de R$ 104,800 mil, dos quais R$ 89,500 mil são destinados à série Nacional e R$ 15,3 mil à Copa Nacional de Cavalos Novos.

Felipe Braga, cavaleiro pernambucano que representa o CHSA, foi o campeão do Clássico no CSN D Maio em 2015

Felipe Braga, cavaleiro pernambucano que representa o CHSA, foi o campeão do Clássico no CSN D Maio em 2015

A armação de pista ficará a cargo do paranaense Vailton Jaci Cordeiro, responsável pelos percursos na areia, e o paulista Carlos Alberto Raposo Lopes arma na pista de grama. A 2ª fase de inscrições segue aberta até segunda-feira, 24/4, às 18h00, no portal da Federação Paulista de Hipismo. A principal disputa, o Clássico, a 1.45 metro, acontece no sábado, 29/4, com início previsto para as 16h00. No domingo, 30/4, a Copa Ouro, a 1.35 metro, promete muito adrenalina a partir das 15h00. Na segunda-feira Feriado do Trabalhador, 1/5, o evento segue com mais oito provas.

Em paralelo, a casa – com Francisco Mari, presidente entre 2003 e 2006, agora em seu terceiro mandato – promoverá atrações paralelas visando garantir lazer e diversão para toda a família (detalhes em breve).
Programa e Inscrições CSN D Maio

Jovem talento Marcelo Gozzi vence seu 1º GP e já pensa no Sul Americano

Nesse sábado, 1/4, no GP da 2ª Copa Santo Amaro, a 1.40 metro, Marcelo Gozzi, 16, teve 100% de rendimento com suas montarias. Estiveram em pista 26 conjuntos, dos quais seis foram ao desempate que teve armação de Carlos Alberto Raposo Lopes. Marcelinho levou Little Joe II à vitória e foi vice com Gucci van´t Meulenhof, pista limpa, em 31s24 e 33s36.

Marcelo em salto perfeito com Little Joe; img: Duilio Andrade

Em 3º lugar chegou Ricardo Monteiro da Luz montando Emilio, sem faltas, 33s90. Rodrigo Chaves Nunes com Anaconda JMen e Rafael Ramos com Gordon C, uma falta, em 31s62 e 33s81, emplacaram em 4º e 5º lugar. Todos representando a casa. O cavaleiro da Hípica Paulista Vitor Dantas Medeiros montando RWS Eros de Kalvarie que desistiu do desempate fechou o pódio na 6ª colocação.

Ricardo e Emilio

“Achei muito bom, finalmente vencer o meu primeiro GP. Consegui acertar com meus dois cavalos, foi extraordinário, uma experiência única”, comemorou Marcelinho. “O Little Joe tem 9 anos e é a minha mais nova aquisição. Desde que chegou no final do ano passado, me adaptei muito bem com ele. Já o Gucci, sela belga de 10 anos, está comigo desde o início de 2016”, contou Marcelinho, que atualmente conta com cinco cavalos.

Marcelo com seu Gucci; img: Duílio Andrade

O cavaleiro já tem uma sólida carreira nas categorias de base: campeão brasileiro mirim 2014, pré-junior 2016 e vice campeão sul americano pré-junior 2016. “Eu monto com o Zé Roberto Reynoso e agora, que ele está nos EUA, o Felipe Braga está me ajudando”, disse Marcelinho, que passou para categoria Junior e tem um objetivo bem definido para essa temporada. “Quero me classificar para o Sul Americano e tentar sair com o título, porque da outra vez bati na trave.”

A Copa Santo Amaro segue no domingo, 2/4, com oito provas. Acompanhe o Quadro de Horários, Ordens de Entrada e Resultados.

Com a fonte: CHSA ; fotos: Duílio Andrade

“Cavalo não é máquina, mas parceiro e o trabalho adequado faz a diferença” , Sebastian Rohde

A importância da formação de um cavalo novo se reflete no futuro do esporte. Levar um cavalo ao mais alto nível de competição não é tarefa fácil: requer conhecimento técnico, paciência e horsemanship no sentido mais amplo da palavra: começando pelo respeito ao animal, treinamento adequado com planejamento para não atropelar nenhuma fase, chegar à altura de 1.40 metro por volta dos 7/8 anos e seguir carreira a 1.50 / 1.60 metro até depois dos 15 anos.

Hoje a criação do Cavalo Brasileiro de Hipismo (BH) está a altura dos melhores linhagens mundiais. “Fato é que no Brasil são criados cavalos extraordinariamente bons e na
realidade esse mesmo cavalo é igual às melhores linhagens europeias A única questão é formação e essa é a diferença”, discorre o alemão Sebastian Rohde, treinador especializado em cavalos novos, que tem vindo com regularidade ao Brasil desde 2009.

Flash durante a clínica do treinador Sebastian Rohde (terceiro da direita para esquerda) com Tony Fortino e Carolina Mendonça, à sua direito, Beate Susemihl,que atuou na tradução, Geraldo Lamounier e Antonio Celso Fortino, conselheiro da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo de Hipismo, um dos idealizadores da Clínica

Rohde, que trabalhou por muitos anos na Associação do Holsteiner, depois com o
criador Wolfgang Brinckmann, proprietário da Pikeur / Eskadron, atualmente está à frente Associação Internacional do Cavalo Oldenburger para os mercados dos EUA e América
do Sul. O conceito liberal da Associação Oldenburger de Esporte Internacional também vai de encontro à criação do cavalo Brasileiro de Hipismo, sem “bairrismo” para efetuar os registros das mais diversas e melhores linhagens warmblood a nível mundial.

O Brasil Hipismo conversou com Rohde, após mais uma bem sucedida clínica no início de fevereiro no Clube Hípico de Santo Amaro. Confira!

O alemão Sebastian Rohde à direita ao final da Clinica em Santo Amaro com Antonio Fortino e Rafael Christianini

BH. Quantas vezes você já veio para o Brasil e quais suas principais atividades?

Sebastian Rohde. Estive pela primeira vez no Brasil em 2009. Depois passamos a organizar clínicas com o Antonio Fortino e Paulo Foroni, primeiramente, duas a três
vezes por ano, depois quase cinco vezes por ano, acho que já sou meio brasileiro.

Depois que deixei a Associação do Holsteiner, após um pequeno hiato, voltei a montar mais e mediante a agenda não vinha tanto ao Brasil. Durante dois anos trabalhei os
cavalos novos para Wolfgang Brinckmann, proprietário da Pikeur /Eskadron. Agora estou trabalhando na Associação do Oldenburger e sou e sou responsável pelo mercado nos
EUA e América do Sul. O motivo é que a Associação Internacional do Oldenburgo tem 700 membros nos EUA e lá a cada ano nascem 300 potros registrados por nós. Então como já tenho contato na América do Sul com o Brasil, também voltei a vir pra cá.

BH. Mediante a globalização da inseminação artificial, a diferença entre os cavalos de linhagens warmblood está cada vez mais tênue. Pode apontar algum diferencial do Oldenburgo? 

Rohde. Cada vez as linhagens estão mais misturadas e há menos diferenças. A principal diferença é que o cavalo oldenburgo em sua origem – que existe até hoje – é um
warmblood de estatura bastante pesada e não é adequada ao esporte. Era usado na agricultura e é criado até hoje. Mas não tem mais nada com a atual Associação do
Oldenburger de Cavalos de Salto Internacional, fundada em 2001.

Oldenburger do jeito que está hoje é uma associação relativamente jovem e sempre esteve aberta a outras linhas com hannoveranos e holsteiners entre outras. A ideia é
criar um cavalo de esporte , o que basicamente é a diferença. Por exemplo a Associação do Holsteiner é bastante restritiva, por isso, muitos cavalos bons embora tenham
linhagem Holsteiner estão registrados no Oldenburgo, que é uma mistura.

Uma coisa interessante é que dos 21 mil potros warmblood que nasceram na Alemanha em 2016, o mesmo número que há 40 anos, o percentual do Oldenburger quadruplicou, enquanto outros studbooks diminuíram os registros ou desapareceram. Somos uma Associação flexível, demos chances a muitos garanhões. O presidente da Associação do Oldenburger nos EUA é Paul Schockemöhle, cavaleiro alemão e maior criador do mundo, que produz mais de 1000 potros ao ano em seu Haras Lewitz.

BH. Quais os principais destaques da raça Oldenburg no cenário internacional?

Rohde. Weihegold (Don Schufro em Sandro Hit), campeão olímpico por equipes e prata individual de Adestramento com Isabell Werth na Rio 2016, e que recentemente estabeleceu dois recordes em GPs World Cup com aproveitamento acima de 90%. Na modalidade salto são muitos os expoentes como Toulago, montaria do suíço Pius Schwizer, Couleur Rubin, na sela de Ludger Beerbaum, Sandro Boy, vencedor da Copa do Mundo com Marcus Ehning, entre outros.

/ Isabell Werth com Weissgold, um oldenburger top mundial , em ação na Rio 2016 ; img: FEI

BH. Como você avaliou o curso agora em fevereiro no Clube Hípico de Santo Amaro? Em linhas gerais no que se base o treinamento de um cavalo novo para a modalidade salto?

Rohde. Acho que a técnica de montaria está indo pro caminho certo, mesmo que aos poucos. Já verificamos uma outra ideia no que se refere montaria e formação de cavalos
novos. O negócio não é somente saltar alto e largo, mas ter controle sobre o cavalo e a partir daí estar melhor preparado para competir em nível mais alto . A ideia do
programa é que os cavaleiros tenham uma formação para trabalhar os cavalos novos de modo correto e melhor para que com isso o Cavalo Brasileiro de Hipismo também possa
ser melhor vendido.

O cavaleiro Tony Fortino participante regular das clínicas com Sebastian Rohde, em salto perfeito com Daquiri For, de 7 anos

Acho que esse também é um diferencial na Alemanha, onde tem muita criação, mas também se investe na formação dos cavalos. O comércio prospera porque os cavalos são bem trabalhados e podem ser montados por pessoas diferentes. Não basta criar bem é preciso formar os cavalos.

Tivemos vários tipos de cavaleiros na clínica, o que a torna bastante interessante, porque nenhum grupo é igual ao outro. Eu realmente gosto do que faço. Não olho  relógio. É preciso de alguma forma oferecer uma solução aos cavaleiros.

BH. Os mesmos exercícios básicos se aplicam a todos os níveis?

Rohde. Sempre há vários aspectos. A quem quero treinar, o cavaleiro ou cavalo, ou mesmo ambos? Um percurso é feito de diferentes distâncias, mais largas , mais
curtas, e mesmo quando o salto é isolado, nem sempre se acerta a distância ideal e preciso se preparar para o próximo obstáculo..

Não é adequado para o cavalo fazer um percurso todos os dias. Por isso, os exercícios com varas no chão e saltos baixinhos eu preservo o cavalo e assim treinamos a comunicação e a sintonia do olho do cavaleiro em parceria com o cavalo. Há muita coisa a se aprender e não é possível fazê-lo saltando somente percursos. Também não posso, por exemplo, enviar um cavalo novo para escola e dizer agora vamos escrever um ditado ! É preciso fazer uma coisa após a outra, passo a passo. Quando então um cavalo, aos
8 anos, está pronto para saltar a 1.50 metro em algum momento ele também tinha quatro anos e precisou ser formado. E, dessa forma, passo a passo, simplesmente
preparando o cavalo gradativamente para tarefas mais difíceis.

Claro que só se aprende a saltar saltando. Mas antes disso é preciso ter o cavalo sob controle, senão o resto não faz sentido. Eu posso fazer adestramento sem saltar,
mas não posso saltar sem fazer adestramento.

De modo geral quando vejo o hipismo no Brasil, noto que as pessoas gostam mesmo de saltar e não trabalhar. Então  muitos cavalos não vão ultrapassar a barreira da altura de 1.40 metro, sempre pode ter cavalo com mais potencial, isso é algo que a gente vem conversando há muito tempo.

Temos falado sobre cavalos de 5 anos realizarem disputas ao cronômetro no Campeonato Brasileiro. Isso é algo que a gente não conhece e realmente considero besteira. Em geral na Europa, cavalos de 6 anos já fazem disputa ao cronometro. Mas na Alemanha – o cavalo para disputar o Campeonato Alemão precisa vencer somente uma
qualificativa durante o ano. A gente preserva nossos cavalos muito mais, prova para cavalos novos 5 anos só tem uma por final de semana e já na altura de 1.20 / 130
metro não mais que isso. Eles podem concorrer em duas provas, mas em um único dia..

BH. Em linhas gerais, quais as dicas que você pode dar aos cavaleiros e criadores no Brasil?

Rohde. São muitos aspectos diferentes que tornam o Brasil extraordinariamente interessante. Fato é que aqui são criados cavalos muito bons e na realidade esse mesmo
cavalo é igual a linhagens europeias. A única questão é formação e essa é diferença. Na Alemanha, como falei, nosso maior negócio é formar cavalos novos. E quando a
gente fala em esporte ele começa a 1.40 metro, o que vem antes é somente formação.

Por isso, temos centenas de cavalos saltando 1.40 metro e não é nada demais.
Para esporte top é preciso cavalos que saltem 1.50 e 1.60 metro. E o cavaleiro brasileiro em si é extremamente veloz, mas às vezes é necessário não colocar o cavalo
novo na correria para depois aos 8 / 9 anos, ter um cavalo bom na cocheira.

Acho que um profissional também necessita de treinador. Em todos os concursos internacionais, a maioria dos cavaleiros têm seu treinador e trabalham em conjunto. Não é
possível ser diferente.

Na Alemanha muitos profissionais se especializaram em adestramento para cavalos de salto. Talvez eles mesmo não tenham condições de saltar um GP, mas sabem
trabalhar a base do cavalo de adestramento do cavalo para tanto. Um cavalo de GP necessita de movimento, sair da cocheira até 3 vezes por dia. Montar só uma vez por
dia não dá certo, o cavalo pode também ir ao padoque, piquete, andador. Cavalo não é máquina, mas parceiro e o trabalho adequado e detalhes fazem a diferença.

Tony Fortino, cavaleiro que também está investindo na formação de cavalos novos, com Zirocco de 7 anos

Interessante é que não há um caminho que esteja sempre certo. Acho que um problema na Alemanha é que formamos bem nossos cavalos, mas quando eles têm 7/8 anos, também precisam de mais tempo para ficarem mais rápidos e competitivos e isso também requer formação.

Não há um só caminho certo, mas é preciso seguir uma ideia que funciona. Respeito é fundamental. De uma forma ou de outro, o cavalo é um investimento: em algum momento
será vendido ou precisa ser vendido. Nesse sentido a gente corta a própria carne quando não cuidamos adequadamente da formação do nosso cavalo. Ele é o atleta, e se
não for cuidado será perdido e com prejuízo financeiro.

Amadores e profissionais precisam investir nesse parceiro. Se quero mudar alguma coisa aqui no Brasil, não basta conversar com o cavaleiro, mas também com os proprietários, criadores, treinadores e dirigentes que fazem as regras. Todos precisam conversar, entender as necessidades e compromissos de mudanças.

 

Fonte: Brasil Hipismo ; fotos: João Markun, FEI e arquivo pessoal

Fábio Sarti é o campeão dos dois GPs no Torneio de Verão 2017 em Santo Amaro

Encerrando a 2ª Etapa do 29º Torneio de Verão, Concurso de Salto Nacional, no Clube Hípico de Santo Amaro (SP), 40 conjuntos saltaram o GP / Clássico, a 1.45m, e, conforme a regra, os 12 melhores entre os quais somente dois com zero falta habilitaram-se à 2ª e decisiva volta. Com mais uma atuação perfeita, o paulista Fabio Sarti montando Desteny, campeão do GP na 1ª Etapa do Torneio de Verão em 12/2, conquistou o bi na edição 2017 com duplo zero falta em 51s18.

Fabio  com Desteny; dupla vitória nos GPs do Torneio de Verão 2017

O vice-campeonato ficou com Daniela Lemos de Castro Teixeira que com Levantus JMen registrou apenas 1 ponto perdido a cada volta, 66s62, também por São Paulo.

Daniela e Levantus JMen

Na 3ª colocação aparece o carioca Tiago Mesquita com Baptista, sem faltas na 1ª volta e um derrube na 2ª, 52s47.

Tiago com Baptista: dois terceiros lugares nos GPs dos Torneio de Verão

“Estou muito feliz em ver que o trabalho está em ordem. O cavalo está muito bem e sempre progredindo. Aproveito para agradecer ao André Miranda que é super parceiro, pois a gente vem trabalhando esse cavalo juntos há um tempo e está dando tudo certo. Agora vamos saltar o SHP Open, entre 9 e 12/3, e sequência dos concursos que vem pela frente”, destacou Fabio Sarti, bicampeão dos GPs na abertura oficial da temporada nacional.

Saldo positivo

Foram 1186 as inscrições nessa 2ª Etapa do Torneio de Verão e para Francisco Mari, que assumiu a presidência do Clube para o biênio 2017 e 2018, o balanço é positivo. “Sinto um prazer incrível em voltar a ser presidente do Clube especialmente nesse momento do Torneio de Verão agora de volta ao cenário nacional. Tudo está transcorrendo conforme esperado com resultado muito positivo em todos os aspectos” , destacou o anfitrião Francisco Mari, o Kiko, que foi presidente em duas gestões anteriores entre 2003 e 2006. Ronaldo Bittencourt, presidente da Confederação Brasileira de Hipismo no quadriênio 2017 a 2020, também prestigiou a competição.
Pódio GP -19/2
Campeão Fabio Sarti / Desteny – FPH – 0/0/51s18
Vice Daniela Lemos de Castro Teixeira / Levantus JMen – FPH – 1/1/66s62
3º Tiago Mesquita / Baptista – FEERJ – 0/4/52ss47
4º Pedro Egoroff / Wangu Cooper – FPH – 4/0/59s10
5º Tiago Mesquita / Ellechin Ter Door – FPH – 4/0/59s10
6º Artemus de Almeida / M.E.C.G Casillero – FPH – 4/4/50s81
Resultado completo

 

Com a fonte: CHSA

Artemus de Almeida com Chelano fatura Copa Ouro na Final do Torneio de Verão em Santo Amaro

No início da noite do sábado, 18/2, durante o Concurso de Salto Nacional 2ª Etapa do Torneio de Verão no Clube Hípico de Santo Amaro a principal disputa foi a Copa Ouro, 1.35 metro. Sempre concorrida foram 68 os conjuntos em pista, entre os quais 14 zeraram e 13 largaram no desempate com armação do course-designer paranaense Vailton Jaci Cordeiro. Sagrou-se vencedor o medalhista pan-americano Artemus de Almeida montando Chelano, de 9 anos, com pista limpa em 29s08, único abaixo da casa dos 30 segundos.

Artemus e Chelano a caminho da vitória

Em 2º lugar chegou o jovem talento Pedro Egoroff com Anton 640, sem faltas, 30s33. Já na 3ª colocação aparece Renato Junqueira Arantes no dorso de Farah Império Egípcio que zerou em 31s19.

A exemplo da 1ª Etapa do Torneio de Pedro Egoroff foi vice na Copa Ouro

“Sinto um prazer incrível em voltar a ser presidente do Clube especialmente nesse momento do Torneio de Verão agora de volta ao cenário nacional. Tudo está transcorrendo conforme esperado com resultado muito positivo em todos os aspectos” , destacou o anfitrião Francisco Mari, o Kiko, que foi presidente em duas gestões anteriores entre 2003 e 2006.

Nesse sábado também foram definidos campeões na classificação geral de 1 a 1.30 metro valendo a soma dos melhores em duas provas em suas respectivas categorias (aguarde cobertura). Encerrando a competição nesse domingo, 19, o Clássico, a 1.45 metro, com início previsto a partir das 14h30. Também serão disputados 6 GPs especiais de 1 a 1.30 metro e a final de 1.20 metro para Mirins, Jovens Cavaleiros e Pré-juniores.

Copa Ouro, 18/2

Campeão Artemus de Almeida / Chelano – FPH – 0/29s08
Vice Pedro Malucelli Egoroff / Anton 640 – FPH – 0/30s33
3º Renato Junqueira Arantes / Farah Imperio Egípcio – FPH – 0/31s19
4º Bruno Chaves Pessanha / ML Golden Girl – FPH – 0/31s19
5º Nicole Pantoja Margeotto / Chap Lando Z – FPH – 0/33s06
6º Artemus de Almeida / SL Bastiana – FPH – 0/34s66

Resultado completo.

Via CBH com a fonte: CHSA ; fotos: Luis Ruas / CBH